header top bar

section content

Após eleito, presidente da API vem ao Sertão e garante que priorizar ações para região

João Pinto passou por Pombal, Sousa e Cajazeiras, onde participou da sessão da Câmara que celebrou o Dia Municipal do Radialista

Por

11/11/2015 às 15h20

O presidente da Associação Paraibana de Imprensa (API), João Pinto, visitou na última semana algumas das principais cidades do sertão do estado para dialogar com os radialistas e levar para a capital as reivindicações da categoria.

Ele passou por Pombal, Sousa e concluiu suas visitas em Cajazeiras, onde participou da sessão especial da Câmara que celebrou o Dia Municipal do Radialista no sábado (7).

 

Além de receber demandas de interesse da categoria, João Pinto também veio ao sertão agradecer aos associados que o apoiaram na sua última campanha para presidente da API e colaboram com sua gestão.

“Eu fico muito satisfeito. Deixei outros convites da minha terra Campina Grande para vir a Cajazeiras porque aqui é a escola do radialista, aqui a gente tem um verdadeiro celeiro de radialistas, então a gente não poderia deixar de estar presenta nessa sessão”, ressaltou.

 

Ele garantiu que sua gestão é descentralizada e está sempre atendendo, quando possível, às necessidades dos radialistas sertanejos. “Tudo que a gente puder trazer para o interior nós vamos trazer porque nos meus dois mandatos eu sempre gostei de interiorizar a Associação Paraibana de Imprensa, ou seja, visitar as bases e saber quais são as necessidades, e é isso que eu vou fazer até o último dia do meu mandato.”

 

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:

Recomendado para você pelo google

EM SOUSA

Radialista revela que “vítima da mão pesada e dos chutes do prefeito Tyrone” disputará eleições em 2020

VÍDEO

Comandante do Corpo de Bombeiros aponta possíveis causas do incêndio no lixão de Cajazeiras

SAÚDE

VÍDEO: Programa Xeque Mate fala sobre a saúde de Cajazeiras e recebe popular e diretoras do HUJB e HRC

REFORMA AGRÁRIA

VÍDEO: Coordenadora da CPT Sertão afirma que terras são um direito dos camponeses e não do agronegócio