header top bar

section content

VÍDEO: Artista revela que Íracles Pires chamou pai de Padre Rolim de vagabundo e Mãe Aninha de horrorosa

Autor do quadro "A Fundação de Cajazeiras", que está na biblioteca municipal, W. J. Solha relembra uma história curiosa que envolve a obra e a teatróloga Íracles Pires

Por Jocivan Pinheiro

30/08/2017 às 20h11 • atualizado em 30/08/2017 às 20h18

A cidade de Cajazeiras, que recentemente completou 154 anos de fundação, também faz parte da biografia do artista plástico, escritor e teatrólogo paulista, radicado na Paraíba, Waldemar José Solha, ou W. J. Solha, como é mais conhecido.

Autor do quadro “A Fundação de Cajazeiras”, que está exposto na Biblioteca Pública Municipal Castro Pinto, Solha relembra uma história curiosa que envolve a referida obra e a lendária teatróloga Íracles Pires.

Em um bate-papo com o jornalista cajazeirense Gutemberg Cardoso na capital João Pessoa, ele conta que por causa de dona Ica (como também era conhecida a teatróloga), quase não conseguiu vender o quadro para o então prefeito no ano de 1964.

Segundo a história, ao saber que não existia nenhuma pintura homenageando o centenário de Cajazeiras, celebrado um ano antes, W. J. Solha produziu “A Fundação de Cajazeiras” e foi até a cidade tentar vender ao prefeito, que resolveu consultar alguns intelectuais da cidade para saber se valeria a pena adquiri-la.

Quadro ‘A Fundação de Cajazeiras’

A maioria gostou da obra e deu o aval. Porém, Íracles Pires foi a única que não concordou com as referências estéticas da pintura, afirmando com contundência que os personagens ali representados – o pai e a mãe de Padre Rolim – não condizem de maneira alguma com a realidade.

Dona Ica teria dito que “está tudo errado” no quadro, a começar pelo pai do Padre Rolim, que era um “vagabundo” e não um homem disposto como aparece na obra. Depois, Mãe Aninha não era bonita, e sim “horrorosa”. Já o cenário, que é de grama verde na pintura, contrasta com a seca do Sertão.

“Cena indelével foi a da célebre encenadora Íracles Pires comentando o que via, revoltada: ‘Tudo é falso nessa tela. Olhem a grama verde, coisa que não tem nada a ver com o Sertão, coisa da terra do moço que a pintou. Vejam a Mãe Aninha. Ela era uma mulher horrorosa, e olhem só a beldade que aí está. E Rolim era um vagabundo, e o que temos aí? Um fundador da cidade todo disposto, e que não é nada mais, nada menos que o autorretrato do moço.’ Olhei a figura com espanto. Mas apesar da crueza do discurso, o prefeito me pagou e a prefeitura ficou com ‘A Fundação de Cajazeiras’, de que nunca mais ouvi falar”, relata o artista.

DIÁRIO DO SERTÃO

AOS POUCOS

VÍDEO: Alunos da rede municipal de ensino de Cajazeiras retornam às aulas presenciais gradualmente

PROBLEMA SE REPETE

VÍDEO: Vacinação em Cajazeiras tem tumulto, desorganização e pessoas ‘tatuando’ fichas nos braços

ELOGIOS

VÍDEO: Comandante do 5º BBM de Cajazeiras elogia cidade e diz que o Sertão da Paraíba é “diferenciado”

TRIBUNAL DE OLHO

VÍDEO: Prefeitura de Piancó recebe alerta do TCE por causa do número de contratados e altos salários

Recomendado pelo Google: