header top bar

section content

Bloco sai às ruas em Cajazeiras; Vereador vestido de mulher e ex-prefeito são destaques. Vídeo!

Este ano o bloco homenageou o cajazeirense “Zé Oin”, um vendedor que se destacou por sua forma diferenciada de dançar.

Por

04/03/2014 às 12h21

O carnaval popular resiste

Mais um tradicional bloco desfilou em Cajazeiras nessa segunda-feira (03). Depois do Bloco da Virgens, o Cafuçu de Cajazeiras arrastou uma verdadeira multidão às ruas da cidade.

Irreverentes, os foliões do Cafuçu que desfilam há seis anos consecutivos se concentraram  no cruzamento das ruas Epifânio Sobreira com Joaquim de Sousa Neto.

O cantor Marcos Rogério animou a concentração, e os foliões foram “puxados” por um mini trio. Já no retorno a concentração, a animação ficou por conta de Cigano do Arrocha.

Este ano o bloco homenageou o cajazeirense “Zé Oin”, um antigo vendedor de bilhetes de loteria da cidade, que se destacou por sua forma diferenciada de dançar.

Destaque
O vereador Jucinério Félix, que desfilou de “Musa da Copa” no Bloco das Virgens”, apareceu no Cafuçu também com vestimentas femininas.

Com look bem colorido, o vereador posou para fotos e se divertiu no desfile do Cafuçu, que animou a tarde cajazeirense.

O ex-prefeito de Cajazeiras, Carlos Rafael também desfilou no bloco cajazeirense com direito a vestimenta a caráter para ocasião

O que é?
O Cafuçu é um bloco carnavalesco da cidade. Diferencia-se dos demais blocos por seus participantes se fantasiarem de forma extremamente brega. É um bloco irreverente semelhante as "virgens"

Veja vídeo!

DIÁRIO DO SERTÃO.

Tags:
MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”