header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

‘Choradeira’, desemprego, corte nos gastos marcam crise econômica em Cajazeiras. Vídeo!

A servidora Kátia Brilhante afirmou que o jeito é reduzir os gastos e evitar compras parceladas, inclusive financiamentos.

Por

15/07/2015 às 15h32

A TV Diário do Sertão foi às ruas de Cajazeiras para ‘consultar’ a população sobre a greve crise econômica que passa o país. Desemprego, aumento no custo do alimento, de combustível, endividamento da população  e baixo poder de compra são marcas do ano de 2015.

A aposentada Geralda Abreu disse que o jeito é apelar para Jesus, pois está passando necessidades. “Tenho dois filhos desempregados e o que a gente pode contar é sofrimento”.

O carpinteiro Emanuel Lacerda observou que a crise assolou a todos, do empresário ao empregado. “Atinge todo mundo. Tive que sair da empresa para pagar minhas dívidas”

O comerciante Marcelo Vieira disse que as vendas caíram muito. “Vendia mais, porém depois que a crise se instalou o dinheiro não está dando para o cidadão se manter”.

A dona de casa Creuza Vieira contou que todos da sua família estão desempregados e sua única fonte de renda é o Bolsa Família. “Até a água foi cortada”.

A servidora Kátia Brilhante afirmou que o jeito é reduzir os gastos e evitar compras parceladas, inclusive financiamentos. “A crise pegou os brasileiros de surpresa, mas era esperada pelas compras de casas, automóveis, acreditando que aquisição dessa forma é futuro, quando na verdade é prejuízo”.

O aposentado Antonio Quirino informou que está fazendo todo possível para economizar. “O salário é pequeno e cada vez piora”.

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça