header top bar

section content

NO TOPO: Mídia nacional repercute projeto de educação fiscal premiado de Escola Integral de Cajazeiras

A reportagem também ensinou aos alunos que o valor pago em tributos deve ser revertido em melhorias para a sociedade.

Por Redação Diário

04/01/2018 às 22h43 • atualizado em 04/01/2018 às 22h53

A mídia nacional repercutiu os projetos premiados e desenvolvidos pela Escola Estadual Cidadã Integral Técnica Professora Nicéa Claudino Pinheiro, no município de Cajazeiras. A Escola arrebatou o 2º lugar do Prêmio Nacional de Educação Fiscal, na categoria Escolas, promovido pela Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), entre mais de 600 concorrentes nacionais. No ano passado também a Escola havia vencido o Prêmio Afrafep de Educação Fiscal edição 2017 entre as escolas públicas paraibanas com o projeto “Sua nota vale conhecimento”.

VEJA MAIS MATÉRIAS DE EDUCAÇÃO

A reportagem especial do portal Jota, um dos canais segmentados de notícia jurídica mais acessada do país por juristas, bacharéis e operadores do direito, destacou a mudança de visão dos alunos com os projetos interdisciplinares da Escola Estadual paraibana, que envolvia não apenas a questão de educação fiscal, mas o empreendedorismo, a exemplo da “empresa por um real”, que inspirou o empreendimento da estudante Ângela Lins, de 15 anos, que é destaque na matéria. Os projetos desenvolvidos, além do empreendedorismo, capacitam os estudantes a aprenderem a mensurar despesas com matéria prima e equipamentos, calculam o valor devido em impostos e precificam o produto final tendo em vista a margem de lucro.

A reportagem intitulada ‘Escolas usam danças e balas para promover educação fiscal e financeira’ aponta ainda que a Escola, por meio do projeto, também ensinou aos alunos que o valor pago em tributos deve ser revertido em melhorias para a sociedade. Diante disso, alguns estudantes fizeram uma pesquisa na comunidade sobre o hábito de pedir a nota fiscal. De acordo com o levantamento, mais da metade dos consumidores não solicitavam a nota no ato da compra. Um questionário com comerciantes também mostrou que a maioria dos estabelecimentos não tinha estrutura para emitir o documento regularmente.

A Escola arrebatou o 2º lugar do Prêmio Nacional de Educação Fiscal

Cerca de 170 estudantes da Escola se envolveram com o projeto. As atividades ocorreram ao longo de sete meses de 2017 e, no final deste período, cada turma apresentou os resultados uma para a outra. “Tendo o projeto na escola, isso muda a comunidade também. Os alunos aprendem seus direitos e deveres e a cobrar isso dos governantes”, afirma o coordenador do projeto, professor José Ribamar Bringel, acrescentando que “o projeto foi interdisciplinar, pois foi aplicado junto com outras disciplinas da Escola e tinha como método ser replicado pelo aluno, atingindo seus lares e negócios da família”, destacou.

A grande reportagem intitulada ‘Escolas usam danças e balas para promover educação fiscal e financeira’, da jornalista Jamile Racanicci, no portal Jota, pode ser lida na íntegra por meio do link https://www.jota.info/tributario/escolas-usam-dancas-e-balas-para-promover-educacao-fiscal-e-financeira-29122017

DIÁRIO DO SERTÃO com SECOM-PB

YOUTUBER DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Léo Abreu revela em quais profissões podemos encontrar psicopatas

ESPERANÇA NA POLÍTICA!

VÍDEO: Pastor evangélico fala sobre Bolsonaro: “Ele incorporou o que a sociedade acredita: a família”

ASSISTA!

Arquitetura, urbanismo e direitos humanos marcaram último episódio da temporada do Coisas de Cajazeiras

VÍDEO

Comemorando o dia dos Direitos Humanos, professor fala sobre os avanços da data no Diversidade em Foco