header top bar

section content

VÍDEO: Aumento para professores de Pombal é adiado e revolta população. “Foi palhaçada”, diz vereadora

Comissão de Justiça e Redação Final da Câmara pediu para avaliar emendas que teriam sido acrescentadas ao projeto de gratificações. Votação ficou para terça-feira

Por Jocivan Pinheiro

25/02/2018 às 15h54 • atualizado em 25/02/2018 às 18h03

Os 13 vereadores do município de Pombal, no Sertão paraibano, se reuniram nesta sexta-feira (23), na Câmara Municipal, de forma extraordinária, para votação de dois projetos muito aguardados por servidores públicos municipais: o de reajuste salarial dos professores com base no piso nacional e o de gratificações para demais categorias.

Porém, nenhum dos dois projetos foi votado porque a Comissão de Justiça e Redação Final da Câmara pediu para avaliar emendas que teriam sido acrescentadas ao projeto de gratificações. Sem acordo, a votação ficou para a próxima terça-feira.

Alguns vereadores discordaram da necessidade de adiar também a votação do projeto de reajuste salarial dos professores e parte do público presente chegou a vaiar no final da sessão.

A vereadora Edni Evaristo (PT) chamou de ‘palhaçada’ a não votação dos projetos e disse que o adiamento é um desrespeito aos servidores.

“O líder do governo sabia [das emendas], todos eles sabiam. E aí eu acho uma verdadeira palhaçada para com as categorias que estavam presentes e para os colegas, nós que estamos vereadores e vereadora”, desabafou.

VEJA TAMBÉM: Governador entrega Centro de Educação Infantil para atender 80 crianças em cidade da região de Pombal

Vereadora Edni Evaristo (PT)

Já o vereador Ailton de Melo (MDB) alega que faltou entendimento entre as bancadas da oposição e situação.

“Eu preciso analisar bem as emendas, porque irei emitir um parecer, por isso eu tenho que me assegurar de todo direito, por isso pedi que deixasse para terça-feira, que no final de semana irei falar com meu advogado e faze ruma consulta jurídica sobre essas emendas”.

Vereador Ailton de Melo (MDB)

O presidente da casa, vereador Rogério Martins (PDT), justificou que sem o parecer da comissão não havia como votar as gratificações e o reajuste para os professores.

“Existe um impasse por parte da comissão. Respeito a decisão do colega, mas não posso tomar a decisão de botar um projeto em votação onde a comissão principal, que é de Justiça e Redação Final, se nega a dar o parecer”.

Presidente da Câmara de Pombal, vereador Rogério Martins (PDT)

Já o vereador Gilberto Ismael (Beto Xau – PMDB) culpou o presidente da Câmara por não ter votado o aumento dos professores.

“Os professores, não tinha problema nenhum, poderia ter sido votado, mas o presidente preferiu atrelar um projeto no outro, suspendeu a sessão e não votou em nenhum dos dois”.

Vereador Gilberto Ismael (Beto Xau – PMDB)

DIÁRIO DO SERTÃO

ENTREVISTA ESPECIAL

DIA DO MÉDICO: Um dos médicos mais respeitados de Cajazeiras relata fatos marcantes do seu ‘sacerdócio’

RESULTADOS MARCANTES

VÍDEO: Na capital, jornalista cajazeirense avalia vitória de Azevêdo e derrota de Cássio: “Foi um marco”

ACONTECE EM NOVEMBRO

VÍDEO: Secretária da Prefeitura e gerente do Sebrae dão detalhes sobre a feira Expo Negócios Cajazeiras

EPISÓDIO 5

VÍDEO: Programa Coisas de Cajazeiras especial reverencia os mestres na arte de educar: os professores