header top bar

section content

VÍDEO: Por causa de cortes, diretor teme que a UFCG só funcione plenamente até setembro em Cajazeiras

Antônio Fernandes conclama a sociedade para defender a universidade e a futura construção do novo Hospital Universitário, que já sofreu baixa na sua verba

Por Jocivan Pinheiro

23/05/2019 às 15h50 • atualizado em 23/05/2019 às 15h52

O reitor da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Vicemário Simões, esteve no campus de Cajazeiras, nesta quinta-feira (23), para conversar com professores, estudantes e administradores sobre o bloqueio de recursos do Governo Federal que vai afetar todos os campus da UFCG no estado.

Vicemário afirma que a comunidade acadêmica está atenta às medidas do governo e engajada na luta pela tentativa de reverter o bloqueio.

Ele explica que algumas obras para as quais já havia recursos garantidos continuarão em andamento no campus de Cajazeiras. Enquanto isso, a direção geral da UFCG ainda realiza um estudo mais aprofundado do impacto do bloqueio em cada campus.

“É um momento diferenciado para nós e nos pegou de surpresa. Mas eu estou percebendo que a comunidade está atenta a essa momento e organizada. Nós estamos todos juntos para tentar reverter esse quadro o mais depressa possível e quiçá solicitemos para o ano que vem mais ampliação de orçamento para as universidades como um todo”.

VEJA TAMBÉM: Estudantes da UFCG e IFPB de Sousa fecham rodovia em protesto contra cortes de Bolsonaro na educação

Vicemário Simões, reitor da Universidade Federal de Campina Grande

Já o diretor do campus de Cajazeiras, Antônio Fernandes, diz que o impacto negativo já começou a partir do anúncio do bloqueio, pois a direção teve que cancelar, como medida preventiva, a realização de atividades como congressos e aulas de campo.

Antônio Fernandes teme que o campus de Cajazeiras só funcione em sua plenitude até setembro, caso o governo persista no bloqueio. Ele conclama a sociedade para defender a universidade e a futura construção do novo Hospital Universitário, que já sofreu baixa na sua verba.

“Caso esse bloqueio continue há uma grande expectativa negativa até mesmo com o fechamento desses órgãos. Conclamamos a população para defender as universidades, institutos e hospitais como espaços de cidadania, de soberania nacional e de possibilidades econômicas também”.

Antônio Fernandes, diretor do campus da UFCG em Cajazeiras

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

REVOLTA

VÍDEO: ‘Só quem odeia Lula o quer preso, como se ele fosse um bandido perigoso’, diz jornalista

VÍDEO

“Sou liderança forte, mas estou abandonado”, declarou Gobira ao vivo sobre grupo de Carlos Antonio

VÍDEO!

Padre cajazeirense responde a cantor gospel que atacou Nossa Senhora: “Nossos pêsames a esse cantor”

SAIBA

É OU NÃO É FERIADO? Em entrevista, prefeito de Cajazeiras decide sobre o Dia de São Pedro