header top bar

string(11) "show-diario"

section content

Bebidas alcoólicas são todas ruins para a saúde, inclusive vinho e cerveja, afirma estudos

Esse estudo concluiu que não há níveis seguros para a ingestão de álcool.

Por Cura pela Natureza

30/08/2018 às 08h50

Pesquisa mostra a importância do álcool (Foto: Gilaxia/iStock)

Você é daqueles que adoram uma happy hour regada a uma cervejinha gelada ou têm o hábito de tomar uma tacinha de vinho depois do almoço ou antes de dormir?

É bom ir mudando esses hábitos de acordo com estudo publicado na revista médic The Lancet.

Esse estudo concluiu que não há níveis seguros para a ingestão de álcool.

Segundo a pesquisa, só em 2016, quase 3 milhões de mortes em todo o mundo foram atribuídas ao uso de álcool, incluindo 12 por cento das mortes em homens com idade entre 15 e 49 anos.

“Os riscos para a saúde associados ao álcool são enormes”, disse a médica Emmanuela Gakidou, do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington, e principal autora do estudo.

“Nossos resultados são consistentes com outras pesquisas recentes, que encontraram correlações claras e convincentes entre beber e morte prematura, câncer e problemas cardiovasculares. O consumo zero de álcool minimiza o risco geral de perda de saúde.”

O estudo não separa cerveja, vinho e licor, pois não há evidências ao estimar a carga da doença, disse Gakidou.

No entanto, os pesquisadores usaram dados sobre todas as mortes relacionadas ao álcool em geral e os resultados de saúde relacionados para determinar suas conclusões.

Os padrões de uso de álcool variam amplamente de país para país e por sexo, o consumo médio por bebedor e a carga de doenças atribuível.

Globalmente, mais de 2 bilhões de pessoas eram bebedores atuais em 2016; 63% eram do sexo masculino.

No Brasil, o consumo de álcool per capita chegou a 8,9 litros em 2016 e superou a média internacional, de 6,4 litros por pessoa.

Os dados são da Organização Mundial de Saúde (OMS).

É importante explicar que “consumo médio” refere-se a uma bebida-padrão (definida no estudo como 10 gramas de álcool puro), consumida por uma pessoa diariamente.

É aproximadamente o equivalente a:

– um pequeno copo de vinho tinto (100 ml) a 13% de álcool por volume

– uma lata ou garrafa long neck de cerveja (375 ml) a 3,5% de álcool por volume

– ou uma dose de uísque ou outras bebidas destiladas (30 ml) a 40% de álcool por volume

Mas bebidas-padrão são diferentes por país.

Por exemplo, no Reino Unido, uma bebida-padrão é de 8 gramas de álcool, enquanto na Austrália, nos Estados Unidos e no Japão, é de 10 gramas, 14 gramas e 20 gramas, respectivamente.

O estudo, que faz parte do relatório anual Global Burden of Disease (GBD), avalia os resultados e padrões de saúde relacionados ao álcool entre 1990 e 2016 em 195 países e territórios.

Ele fornece resultados sobre a prevalência de consumo atual, prevalência de abstenção, consumo de álcool entre os bebedores atuais e mortes e má saúde geral atribuíveis ao álcool para 23 resultados de saúde, como doenças e lesões transmissíveis e não transmissíveis, incluindo: doenças cardiovasculares, como fibrilação atrial, acidente vascular cerebral hemorrágico, acidente vascular cerebral isquêmico, cardiopatia hipertensiva, cardiopatia isquêmica e cardiomiopatia alcoólica; e cânceres de mama, colorretal, fígado, esôfago, laringe, lábio e cavidade oral e nasal.

Também fazem parte outras doenças não transmissíveis, como cirrose hepática devido ao uso de álcool, diabetes, epilepsia, pancreatite e transtornos por uso de álcool.

Além de doenças transmissíveis, como infecções respiratórias inferiores e tuberculose; lesões intencionais como violência interpessoal e automutilação; lesões não intencionais como exposição a forças mecânicas; envenenamentos; fogo, calor e substâncias quentes; afogamento e ferimentos relacionados ao transporte.

Este estudo utilizou 694 fontes de dados sobre o consumo individual e populacional de álcool, juntamente com 592 estudos prospectivos e retrospectivos sobre o risco de uso de álcool.
Mais de 500 colaboradores da GBD, como pesquisadores, acadêmicos e outros de mais de 40 países contribuíram para a pesquisa, de acordo com Max Griswold, pesquisador sênior.

“Com a maior base de dados coletados até o momento, nosso estudo faz com que a relação entre a saúde e o consumo de bebidas alcoólicas cause substancial perda de saúde, de inúmeras maneiras, em todo o mundo”, disse Griswold.

Em 2016, oito dos dez principais países com menores taxas de mortalidade atribuíveis ao uso de álcool entre pessoas de 15 a 49 anos estavam no Oriente Médio: Kuwait, Irã, Palestina, Líbia, Arábia Saudita, Iêmen, Jordânia e Síria.

Os outros dois eram Maldivas e Cingapura.

Por outro lado, sete dos dez principais países com taxas de mortalidade mais altas estavam nas regiões do Báltico, Leste Europeu ou Ásia Central, especificamente Rússia, Ucrânia, Lituânia, Bielorrússia, Mongólia, Letônia e Cazaquistão.

Os outros três eram Lesoto, Burundi e República Centro-Africana.

Para Max Griswold, há uma necessidade urgente de reformular as políticas públicas para encorajar a redução dos níveis de consumo de álcool das pessoas ou a abstenção total.

“O mito de que uma ou duas duas doses de bebida alcoólica por dia são boas para a saúde é apenas isto – um mito.”

Fonte: https://www.curapelanatureza.com.br/post/08/2018/maior-estudo-sobre-bebidas-alcoolicas-todas-sao-ruins-para-saude-inclusive-vinho-e

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça

CLUBE VIVE IMPASSE

VÍDEO – Representante do Atlético em reunião da FPF apresenta fórmula para participar do Paraibano 2019

VÍTIMA DA DIABETES

VÍDEO: Ameaçada de perder o segundo pé, idosa de Cajazeiras pede ajuda para adquirir sandália especial

ASSISTA

VÍDEO: ‘Mensagem de Esperança’ debate o mundo e o mal, sexo e outros temas