header top bar

section content

VÍDEO: Pastor evangélico fala sobre Bolsonaro: “Ele incorporou o que a sociedade acredita: a família”

O pastor Jonas falou sobre as convicções sobre o futuro do Brasil e a administração de Bolsonaro: "A salvação para o Brasil se chama Jesus Cristo!" Assista!

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

16/12/2018 às 08h09 • atualizado em 16/12/2018 às 08h20

O pastor Jonas Fernandes, do Rio Grande do Norte, esteve visitando a cidade de Cajazeiras, no Sertão do estado, e aproveitou para participar de um dos programas da TV Diário do Sertão.

Em entrevista ao apresentador José Neto, do Balanço Diário, o Pastor Jonas foi questionado sobre o futuro do Brasil, e se o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) será a salvação do país. Sem pestanejar, o pastor disse que não: “A salvação para o Brasil se chama Jesus Cristo!”

Para o Pastor, Bolsonaro entendeu que o país é composto por famílias que acreditam e valores, e ele incorporou o que a sociedade acredita: “O trabalho dele, ele vai fazer, mas espero que alguém dê continuidade ao trabalho dele”, afirmou Jonas.

Indagado sobre a representabilidade que Bolsonaro traz sobre a família tradicional, apesar de ter sido casado e separado por algumas vezes, e sobre o tradicionalismo cristão, Pastor Jonas disse: “Não podemos endeuzar ninguém! Acredito que casamos para a vida toda. Se Bolsonaro errou no casamento dele uma vez ou duas, hoje eu sei que ele está casado e muito bem casado. Eu não quero um Deus para ser presidente do Brasil, eu quero alguém que pode até ter errado no passado, mas que hoje está vivendo uma vida que define aquilo que eu acredito.”

DIÁRIO DO SERTÃO

FUTEBOL

VÍDEO: Diário Esportivo traz resumo da 2ª rodada do Paraibano e detalhes da nova contratação do Atlético

COM CHICO CARDOSO

VÍDEO: ‘Briga’ entre Zé Aldemir e Airton, e Tyrone com os Gadelhas são os destaques do Direto ao Ponto

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Advogadas tiram dúvidas sobre Previdência Social e criticam atendimento no INSS de Cajazeiras

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Júnior e Jeová começam a ganhar cargos em Cajazeiras e “sinal vermelho foi ligado”, diz colunista