header top bar

section content

VÍDEO: Feminicídio é o tema do primeiro “Café Cultural” de 2019 na Livraria Universitária de Cajazeiras

Para debaterem sobre o assunto, o programa recebeu professores, estudantes, advogada e psicóloga

Por Jocivan Pinheiro

27/02/2019 às 15h36 • atualizado em 27/02/2019 às 15h42

Agora transmitido também pela TV Diário do Sertão, o programa “Café Cultural”, realizado pela Livraria Universitária em Cajazeiras, deu início à temporada 2019 nesta semana com o tema “Feminicídio – uma agressão a ela, a elas e a todas nós”.

Para discutir sobre o assunto, a apresentadora Regina Márcia recebeu o professor e escritor Carlos Gildemar Pontes; a psicóloga Alanne Menezes; a estudante de Serviço Social Yanka Monique; a professora Virginia Tomaz; a advogada Juliana Lourenço; a assistente social Genecy; a estudante de História Samira Tavares; a estudante de Pedagogia Raissa Farias e o professor Luan Gomes.

VEJA TAMBÉM: Mais de mil mulheres são mortas em dez anos na Paraíba, segundo o Anuário da Segurança Pública do Estado

Feminicídio se refere ao assassinato de mulheres e meninas por questões de gênero, ou seja, em função do menosprezo ou discriminação à condição feminina. Trata-se de um crime de ódio no qual a motivação da morte precisa estar relacionada ao fato de a vítima ser do sexo feminino.

O Brasil ocupa o 5º lugar no ranking mundial de feminicídio, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). O país só perde para El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia em número de casos de assassinato de mulheres.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras

FUTEBOL

VÍDEO: Diário Esportivo fala sobre o Festival de Prêmios do Atlético e do clássico contra o Sousa

MASSACRE DE SUZANO

VÍDEO: Psicóloga fala sobre jogos eletrônicos e ausência da família influenciando tragédias com jovens

O CAMINHO

VÍDEO: Em Pombal, Frei Gilson declara que a Igreja Católica precisa pregar um catolicismo praticante