header top bar

section content

Mulher fica irreconhecível após aplicar tintura de cabelo

Ela ficou com grande inchaço na cabeça e sem poder abrir os olhos.

Por Extra

17/02/2018 às 07h48 • atualizado em 16/02/2018 às 09h52

Lauren Woods antes e depois da tintura Foto: Reprodução/Facebook(Lauren Woods)

Uma moradora de Hastings (Inglaterra) foi parar em um hospital da cidade, na semana passada, após aplicar tintura de cabelo. Lauren Woods ficou irreconhecível, com grande inchaço na cabeça e sem poder abrir os olhos.

Lauren Woods antes e depois da tintura Lauren Woods antes e depois da tintura Foto: Reprodução/Facebook(Lauren Woods) Lauren teve uma forte reação alérgica ao produto. Fotos ilustrando o caso foram postadas na conta da inglesa no Facebook.
A mulher não fez o teste antes de aplicar o produto, ignorando o que é recomendado no rótulo.

Lauren Woods em hospital da Inglaterra após reação alérgica a tintura para cabelo Foto: Reprodução/Facebook(Lauren Woods)

A postagem na rede social teve grande repercussão. Internautas compartilharam histórias parecidas e vividas por elas com tinturas.

“Pintar o meu cabelo não vale a pena, por causa da grande dor que eu senti. Não quero que ninguém passe pelo que passei nos últimos dias”, disse Lauren, em reportagem do “Sun”.

O fabricante da tintura – Clairol Nice ‘n Easy – afirmou que reações alérgicas a seus produtos são raras.

Aos poucos, o rosto de Lauren está voltando ao normal.

Extra

Fonte: Extra - https://extra.globo.com/noticias/page-not-found/inglesa-fica-irreconhecivel-apos-aplicar-tintura-de-cabelo-22400158.html

Tags:
DIÁRIO ESPORTIVO

VÍDEO: Na TV, dirigentes do Atlético de Cajazeiras explicam contratações fechadas e outras que ‘melaram’

NOVAS CRÍTICAS

VÍDEO: Para líder católico de Cajazeiras, o Nordeste será “um recanto esquecido” por Bolsonaro

CLIMA DE EMOÇÃO

VÍDEO: Amigos e familiares destacam o legado de Dr. Toinho durante velório do advogado em Cajazeiras

ECONOMIA

VÍDEO: Com fila zerada, Bolsa Família injeta quase R$ 2 milhões por mês em Cajazeiras, diz coordenador