header top bar

section content

VÍDEO: Polícia prende suspeitos de liderarem assaltos em São João e apreende drogas e armamento pesado

Operação da Polícia Civil desarticulou esquema de venda de drogas dentro de uma casa de drinks na cidade e prendeu três pessoas, entre elas a esposa do líder

Por Jocivan Pinheiro

12/11/2017 às 20h19 • atualizado em 12/11/2017 às 20h25

Uma operação da Polícia Civil prendeu neste sábado (11), em São João do Rio do Peixe, um homem suspeito de liderar uma quadrilha de assaltantes e um esquema de venda de drogas dentro de uma casa de drinks na cidade. Além disso, a ação policial prendeu mais duas pessoas, entre elas a esposa do assaltante, e apreendeu drogas, armas e outros objetos.

De acordo com o delegado James Costa, que está à frente do caso, a Polícia Civil vinha traçando uma linha de investigação com base nos assaltos ocorridos em São João do Rio Peixe recentemente, até que as pistas levaram a Fábio Abreu Dantas Pinheiro, conhecido como Teinha.

Teinha, segundo o delegado, comandava o tráfico de drogas em São João do Rio do Peixe dentro de uma casa de drinks que ele e sua esposa Ana Paula mantinham.

Quando os policiais saíram da casa de drinks e foram até a residência de Teinha, lá encontraram cerca de 50 papelotes de cocaína, maconha, um fuzil, rádios de comunicação na frequência da polícia e outros objetos. Depois da prisão dos suspeitos, uma caminhonete que havia sido roubada em setembro apareceu misteriosamente. A polícia acredita que ela seria usada em assaltos.

Fuzil e rádios de comunicação estão entre os materiais apreendeidos

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora