header top bar

section content

TJ nega Habeas Corpus a acusado por tráfico de drogas denunciado pelo próprio pai em Cajazeiras

O processo apreciado nesta quinta-feira (15), teve a relatoria do desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos.

Por Luzia de Sousa

15/03/2018 às 15h12 • atualizado em 15/03/2018 às 15h17

TJ negou Habeas Corpus a cajazeirense preso por tráfico

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou, por unanimidade, ordem de Habeas Corpus (HC) em favor de Matheus Dias Ferreira da Silva, acusado pela prática, em tese, do crime previsto no artigo 33 da Lei nº 11.343/06 (Tráfico de Entorpecentes). O processo apreciado nesta quinta-feira (15), teve a relatoria do desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos.

+ Em Cajazeiras, pai encontra droga com filho e chama a Polícia; PM apreendeu mais de 8kg de entorpecentes

Consta nos autos que, no dia 08 de fevereiro deste ano, na cidade de Cajazeiras, o réu foi preso em flagrante por, supostamente, guardar ou manter em depósito, aproximadamente 2kg de cocaína e 6kg de maconha. Os entorpecentes teriam sido encontrados pelo próprio pai do detento dentro de uma bolsa no guarda-roupa da residência onde vivia o preso, que teria confessado, junto à autoridade policial, ter guardado a droga a pedido de terceiro.

No 1º Grau, o Juízo da 2ª Vara Mista da Comarca de Cajazeiras converteu a prisão em flagrante do paciente em preventiva. A defesa do réu impetrou HC, alegando que o paciente está preso desde outubro de 2015, por meio de decisão que não preenche os requisitos legais, posto que não aponta elemento concreto capaz de justificar a medida extrema.

Aduziu, ainda, que o magistrado deixou de analisar o cabimento de medidas cautelares diversas da prisão. Desta maneira, a defesa sustenta que o preso reúne as condições necessárias favoráveis para responder o processo em liberdade. O Ministério Público estadual opinou, no parecer, pela denegação da ordem.

.

No voto, o desembargador Márcio Murilo assegurou que a decisão que decretou a preventiva se mostra devidamente fundamenta na gravidade concreta do crime. Ele ressaltou, ainda, que a quantidade e variedade de entorpecentes encontrados destinados à venda no período de pré-carnaval, além do preso já possuir anotação em sua folha criminal de ato infracional grave assemelhado ao tipo de roubo circunstanciado, praticado com violência ou grave ameaça à pessoa, e porte de arma de uso restrito, são fatos que denotam a sua condição pessoal voltada à prática de delito.

Quanto à questão de o magistrado de 1º Grau ter deixado de analisar a aplicação de medidas cautelares diversas da prisão, o relator também afirmou que a decisão está devidamente fundamentada.

“A meu ver, resta plenamente justificada, dada a patente fragilidade das medidas cautelares para contenção da conduta do paciente, que poderá continuar a prática delituosa dentro de sua própria residência ou domicílio, expondo os seus familiares, a exemplo do que ocorreu com seu próprio genitor que, à evidencia do crime, relatou o fato às autoridades policiais”, disse.

Apreensão de drogas na cidade de Cajazeiras antes do carnaval

Entenda
A Polícia Militar, atendendo uma solicitação de um cidadão em 8 de fevereiro deste ano, alegando que tinha encontrado entre os pertences do seu filho uma bolsa contendo uma grande quantidade de drogas, apreendeu mais de 8kg de droga.

A guarnição militar se deslocou até o endereço indicado na denúncia, localizado no Conjunto Pio X, e lá chegando encontraram 2,064 quilos de uma substância semelhante à cocaína e 6,168 quilos de outra substância análoga a maconha.

DIÁRIO DO SERTÃO

MÊS ESPECIAL

VÍDEO: Paróquia Nossa Senhora de Fátima em Cajazeiras encerra festa neste sábado com mensagem de paz

ANTAGONISMO

Bolsonaro x Haddad: plano de privatização do ensino contra gestão que abriu 126 universidades, diz padre

VÍDEO & FOTOS

DIA DAS CRIANÇAS: Atividades e festa resgatam o prazer de brincar em alunos de escola de Cajazeiras

MORTO HÁ DOIS ANOS

VÍDEO: Filha conta detalhes do assassinato de comerciante sousense e se emociona: “Sou Damião Malvino”