header top bar

section content

VÍDEO: Delegado abre inquérito para apurar ‘cemitério’ de animais usado pela prefeitura de Cajazeiras

Denúncia foi feita por um grupo de protetores de animais que foram até o local e se depararam com muitas carcaças de cães

Por Jocivan Pinheiro

13/02/2019 às 23h17 • atualizado em 14/02/2019 às 08h15

O delegado da Polícia Civil, Francisco Filho, abriu nesta segunda-feira um inquérito policial para apurar a responsabilidade pelo descarte de animais mortos em um terreno no ‘distrito industrial’ que pertence à Prefeitura Municipal de Cajazeiras. A denúncia foi feita por um grupo de protetores de animais que foram até o local e se depararam com muitas carcaças de cães.

O caso foi registrado na Central de Polícia Civil e após a denúncia, peritos estiveram no local e constataram que os restos mortais eram mesmo de cachorros.

De acordo com o delegado, os restos mortais foram recolhidos para serem encaminhados às cidades de Patos e João Pessoa para a realização de exames. Ele conta que, segundo o próprio Núcleo de Zoonoses da prefeitura, outros animais são descartados no terreno.

“Nós estamos averiguando se os animais são mortos lá no local pela própria prefeitura e as condições desses animais serem sacrificados, porque a gente sabe que a Legislação prevê que os animais para serem sacrificados têm que estar doentes, quando já não se pode mais fazer um tratamento”, disse o delegado.

VEJA TAMBÉMNo programa Xeque-Mate, voluntários debatem sobre maus tratos e abandono de animais na cidade de Cajazeiras

Delegado Francisco Filho

Professora Elvira Alves, que é membra do Movimento Voluntário de Protetores de Animais de Cajazeiras, relata que ao chegar ao terreno, se deparou com uma cena de horror.

“Muitos protetores independentes que alimentam cachorros do Centro de Cajazeiras começaram a perceber que eles não estavam voltando para comer. Começamos a ouvir conversas de que os cachorros estavam sendo pegos pela ‘carrocinha’, que na verdade é o carro do Centro de Zoonoses que não está caracterizado, é apenas uma Fiorino branca. Também começamos a ouvir que esse carro passava para o lado de cá com o motorista com máscara. Aí, sete pessoas, numa união solidária, nos fez chegar aqui. Depois de rodarmos muito, nos deparamos com esse horror”.

Carcaças de cães foram desenterradas no local

Um dia depois que os protetores estiveram no local, o Núcleo de Zoonoses mudou de direção. Cléo Moura, conhecida na cidade pelo seu engajamento pelos direitos dos animais, reassumiu o órgão. Ela confirma que o terreno também é usado pelo Núcleo de Zoonoses para descarte de animais, mas somente aqueles que precisam ser sacrificados por motivo de doença.

“O local é de descarte de animais não só da Zoonoses, mas também de todo o município. Pessoas pegam os animais mortos e descartam lá, como já vi outras vezes cavalo, boi e até uma carrada de galinhas mortas. Então, a questão de ter animais mortos lá não significa que tenha sido só animais que partiram da Zoonoses. É um local aberto e qualquer pessoa pode entrar lá e descartar um animal morto”.

Cléo Moura, coordenadora do Núcleo de Zoonoses da Prefeitura de Cajazeiras

Também na segunda-feira, a prefeitura realizou uma limpeza no terreno. A secretária municipal do Meio Ambiente, Maria das Dores (Brankinha), está acompanhando o caso e também confirmou que o Núcleo de Zoonoses descarta no terreno os animais sacrificados. E que, segundo ela, esse serviço é feito com acompanhamento correto da Secretaria de Saúde.

“Não é de agora que existe uma vala onde são lançados esses animais que é necessário serem sacrificados por motivo de doença. Mas o setor da Saúde faz esse acompanhamento. Os animais que são identificados com possíveis possibilidades de estarem com Leishmaniose [Calazar], é feito o exame deles e, havendo comprovação, aí sim são analisados aqueles casos em que há sacrifício para se evitar contaminação da população que convive com aqueles animais”.

Maria das Dores (Brankinha), secretária municipal do Meio Ambiente

Brankinha alega que os sacrifícios e descartes de animais são realizados dentro da regularidade, mas admite que a prefeitura precisa intensificar a fiscalização no terreno para controlar descartes feitos por populares.

“O que talvez esteja pendente é um controle maior daquele espaço para saber se, por exemplo, clínicas veterinárias colocam esses animais ali, ou a própria população quando tem a morte de algum animal da sua residência ou até nas mortes que acontecem na BR, que é próximo”.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

“Sou liderança forte, mas estou abandonado”, declarou Gobira ao vivo sobre grupo de Carlos Antonio

VÍDEO!

Padre cajazeirense responde a cantor gospel que atacou Nossa Senhora: “Nossos pêsames a esse cantor”

SAIBA

É OU NÃO É FERIADO? Em entrevista, prefeito de Cajazeiras decide sobre o Dia de São Pedro

PROGRAMA XEQUE MATE

Em Cajazeiras, pai de Gabriel Diniz se emociona e fala com exclusividade sobre a morte do cantor