header top bar

section content

Homem suspeito de matar mulher é preso em depósito clandestino de água mineral na região de Catolé

Além de assassinar a ex, o homem falsificava lacres, selos e outros objetos para vender as águas como mineral.

Por Campelo Sousa

11/12/2019 às 09h26 • atualizado em 11/12/2019 às 10h19

Ele acabou preso e está a disposição da Justiça

Uma jovem de 34 anos acabou morrendo após ser atingida a tiros na cidade de São Bento, região de Catolé do Rocha, no Sertão do estado.

O crime aconteceu nesta terça-feira (10), e a vítima foi a jovem Francivalda Lopes.

Segundo informações da Polícia Civil, após o crime as equipes da Policia realizaram diligências e conseguiram prender  o suspeito, ex-namorado da vítima. Durante a Operação uma fábrica clandestina de água mineral foi descoberta no interior da casa do suspeito.

O homem falsificava lacres, selos e outros objetos para vender as águas como mineral.

Francivalda Lopes tinha 34 anos e acabou morta pelo ex-namorado

Além do crime de feminicídio, ele acabou sendo autuado em flagrante por falsificar, corromper, adulterar produto destinados ao consumo, inclusive fabricando e expondo a venda, além de outros crimes contra ordem econômica e tributária.

De acordo com o delegado Sylvio Rabelo ele ameaçava a ex-companheira após o término do namoro: “Recai também sobre o acusado o crime de feminicídio, tendo em vista que após o término do relacionamento, ele andava inconformado e começou a ameaçar a vítima, Francivalda Lopes”.

O acusado foi preso e conduzido a 18ª delegacia de Polícia Civil de Catolé do Rocha para os procedimentos cabíveis.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

PROBLEMA SOCIAL

VÍDEO: Conselho Tutelar notifica pais por causa de crianças pedindo nos semáforos de Cajazeiras

OPÇÃO RELIGIOSA

VÍDEO: Retiro de Carnaval de Pombal anuncia programação da 35° edição com atrações a nível nacional

CAMPEONATO PARAIBANO

VÍDEO: Wesley, Éder Paulista e o técnico Ederson Araújo aprovam estreia do Atlético e elogiam a torcida

FALTA DE COMODIDADE

Professora cobra fiscalização na ocupação de calçadas por comerciantes que interfere a mobilidade urbana