header top bar

section content

Irmão de mulher que foi assassinada em um bar no centro de Patos dá detalhes de como tudo aconteceu

"De repente eu escutei só os disparos. A maior covardia que ele fez. Ele parou numa moto, não desceu, e atirou pelas costas dela", disse o irmão da vítima.

Por Luiz Adriano

24/12/2020 às 11h44 • atualizado em 24/12/2020 às 12h22

Jaelson Lucena, irmão da vítima, relatou com detalhes o que de fato ocorreu (Foto: redes sociais)

O irmão de Juliana Lucena que foi morta na noite desta quarta-feira (23) em um bar na cidade de Patos, Jaelson Lucena, explicou como se deu a confusão que resultou no homicídio. Segundo ele, no caixa não tinha o troco dos R$ 0,50 centavos, e foi oferecido um pirulito em substituição do valor. De acordo com Jaelson, o freguês não quis receber e agiu grosseiramente falando palavrões contra sua pessoa, e ele por sua vez, não suportou a afronta e acabou respondendo da mesma natureza ao cliente. “Foi uma discussão banal, que não precisava chegar ao ponto que chegou. Foi por causa de 50 centavos mesmo, como o pessoal está falando, mas ele já estava mal-intencionado. Ele veio chamando palavrão comigo. Ele comprou uma cerveja e um espeto, ai o menino foi dar a ele uma pelota de troco, e ele achou ruim. Ele veio reclamando e eu disse que ia conseguir os 50 centavos para dar a ele. Ele começou chamando nome feio comigo e eu acabei revidando. Mas eu nunca ia imaginar que ele ia fazer o que fez”, relatou o rapaz.

VEJA TAMBÉM

Mulher é assassinada por causa de briga motivada por um troco de R$ 0,50 em um bar na cidade de Patos

O irmão da vítima informou que o criminoso saiu ameaçando e dizendo que voltaria para matá-lo. Segundo Jaelson, cerca de 10 minutos depois ele de fato voltou e não o encontrando no local atirou contra Juliana. “Quando ele ia saindo, ele disse: ‘eu vou lhe matar ainda hoje’. Mas no meu pensamento eu não esperava que ele fosse fazer isso. Ele foi embora, no intervalo de 10 minutos eu entrei e fui acender o fogo com minha mãe e fiquei assistindo, de repente eu escutei só os disparos. A maior covardia que ele fez. Ele parou numa moto, não desceu, e atirou pelas costas dela. Disseram que ele é segurança, mas eu não sei”, falou indignado.

Juliana foi assassinada na noite desta quarta-feira (23) em um bar que tem por nome “Bar Zé do Bode, em referência ao seu pai, localizado no centro de Patos.

A Polícia Militar realizou diligências, mas até o momento não há informações a respeito da autoria do crime. A Polícia Civil continua com as investigações.

DIÁRIO DO SERTÃO

SORTEIO DE R$ 100,00

VÍDEO: “O que o Brasil mais precisa?” agitou o Pix Diário do programa Olho Vivo; veja as respostas

CULTURA NORDESTINA

VÍDEO: Comerciantes de fogos juninos se adaptam para manter tradição em barraquinhas da cidade de Sousa

TRADIÇÃO DA ÉPOCA

VÍDEO: Comerciantes de produtos juninos avaliam vendas em Cajazeiras e temem mudança para outro local

REAÇÃO

VÍDEO: Governador diz que lei sancionada por Bolsonaro é ‘absurdo’ e não reduz preços dos combustíveis

Recomendado pelo Google: