header top bar

section content

VÍDEO: Em Catolé do Rocha, Polícia Civil prende suspeitos de extorsão por meio de redes sociais

Várias pessoas são suspeitas de fazer parte de uma associação criminosa investigada por vários crimes cometidos através do aplicativo WhatsApp

Por Luiz Adriano

16/12/2021 às 11h23 • atualizado em 16/12/2021 às 18h22

A Polícia Civil da Paraíba, por meio da Delegacia de Catolé do Rocha, deu cumprimento a dois mandados de prisão temporárias e três mandados de busca e apreensão em desfavor de várias pessoas suspeitas de fazer parte de uma associação criminosa investigada por vários crimes cometidos através das redes sociais, ocorridos na região de Catolé do Rocha.

Os mandados foram expedidos pela 3ª vara da comarca de Catolé do Rocha, após representação da Delegacia de Polícia Civil do município.

VEJA TAMBÉM

VÍDEO: PC vai investigar caso de jovem deficiente que morreu coberto de larvas na região de Cajazeiras

A ação policial se deu na tarde desta quarta-feira (15).

Uma mulher de 23 anos e um homem de 70 anos foram presos, após a Polícia Civil comprovar a participação deles em várias extorsões que vinham acontecendo na cidade de Catolé do Rocha, através do aplicativo WhatsApp.

MODUS OPERANDI

As vítimas são, em sua maioria, comerciantes, empresários e prestadores de serviço da cidade de Catolé do Rocha, os quais mantinham perfil profissional na rede social Instagram, com as informações e número de contato de celular pessoal expostos ao público.

Segundo as investigações, o grupo criminoso coletava informações sobre as vítimas (telefone pessoal e fotos) através da Rede Social Instagram, e enviavam mensagens pelo aplicativo WhatsApp, onde, mediante graves ameaças, exigiam o pagamento de valores monetários.

Os valores exigidos pelo grupo criminoso variavam entre R$ 600,00 a R$ 3 mil por vítima, dependendo do perfil profissional e poder aquisitivo dela.

Várias pessoas registraram Boletim de Ocorrência na delegacia de Catolé do Rocha no último mês de novembro, onde informavam que recebiam as mensagens ameaçadoras, com imagens e vídeos de armas de fogo, além de fotografias tiradas do próprio estabelecimento comercial da vítima pelos criminosos.

Os criminosos, então, afirmando que conheciam os hábitos da vítima, passavam a exigir o pagamento de valores através de depósitos bancários, pix etc, para não ‘matá-las’.

Algumas vítimas, com receio das graves ameaças, acabaram efetuando o pagamento dos valores exigidos pelo grupo criminoso.

Durante as buscas, foram apreendidos os aparelhos celulares dos integrantes da associação criminosa, os quais serão encaminhados para a Polícia Científica, para exames periciais.

Cifra obscura

A Polícia Civil estima que mais de 100 vítimas do grupo criminoso na cidade de Catolé do Rocha não registraram Boletim de Ocorrência da Delegacia de Polícia, o que dificulta a responsabilização criminal dos integrantes da Associação Criminosa pelos delitos cometidos.

“Nós precisamos que a população confie no trabalho da Polícia Civil, e é extremamente importante que sempre que alguém for vítima de qualquer crime, inclusive os cometidos através das redes sociais, compareça na Delegacia de Polícia para registrar a ocorrência.” afirmou o delegado seccional de Catolé do Rocha, Miroslav Soares.

As investigações continuam no intuito de identificar, localizar e capturar outros envolvidos nos crimes investigados.

No topo do texto há um vídeo do portal de notícias Catolé News com a fala do delegado seccional de Catolé do Rocha.

DIÁRIO DO SERTÃO

ESTUDANTES

VÍDEO: Acadêmicas da Faculdade Santa Maria falam sobre doença rara e confirmam seis casos em Cajazeiras

MAIS "FÉRIAS"

VÍDEO: Vereadores de Paulista aprovam aumento de recesso para 105 dias: “Um tapa na cara da população”

MUNICÍPIO RACHADO

VÍDEO: Vice-prefeito de Piancó confirma rompimento com o prefeito e anuncia apoio a Pedro Cunha Lima

RESPOSTA

VÍDEO: Secretário de Saúde de São João que teria sido chamado de analfabeto, rebate Zé Aldemir

Recomendado pelo Google: