header top bar

section content

Câmara de Cajazeiras entra em recesso, e presidente diz que 1º período foi “um dos melhores que já vi”

Nilsinho fez um resumo do primeiro semestre legislativo e destacou os embates entre as bancadas de situação e oposição e os projetos aprovados na casa

Por Jocivan Pinheiro

21/06/2016 às 15h01 • atualizado em 21/06/2016 às 15h04

Se encerrou nesta segunda-feira (20) o primeiro período legislativo da Câmara de Vereadores de Cajazeiras. Os parlamentares entraram em recesso e só retornam às suas atividades na Câmara no dia 1º de agosto.

O presidente da Casa Otacílio Jurema, vereador Nilson Lopes (Nilsinho – PDT), fez um resumo do primeiro semestre, destacou os embates entre as bancadas de situação e oposição e disse que as disputas são todas em prol da população, por isso ele considera 2016.1 um dos melhores períodos legislativos dos últimos anos.

“Eu tenho certeza absoluta que foi um dos melhores períodos que eu já vi nessa casa legislativa, principalmente pelos debates entre oposição e situação e pelos vereadores que trouxeram projetos e requerimentos solicitando os benefícios da nossa cidade e fiscalizando também, que é o nosso trabalho nesse poder.”

O segundo período começa às vésperas das eleições para prefeito e vereador, o que certamente vai provocar disputas ainda mais acirradas entre as duas bancadas e mais difícil de serem contidas pelo presidente. Sobre esse aspecto, Nilsinho demonstrou estar tranquilo.

“Faz parte do debate. Mas são pessoas que têm um só objetivo: trabalhar em benefício da nossa cidade”, frisou.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

É GRAVE

VÍDEO! Moradores reclamam da falta de exames no laboratório municipal em Patos: “Não tem nem de sangue”

'QUEDA DE BRAÇO'

VÍDEO: Vice-presidente da OAB Nacional afirma que disputa entre advogados e juízes não gera ‘fissuras’

OUTUBRO ROSA

VÍDEO: Cajazeirense relata sua luta contra o câncer de mama e deixa mensagem de otimismo para mulheres

CRÍTICAS A BOLSONARO

VÍDEO: Professora cita problemas na UFCG e alerta para ‘desmonte criminoso das universidades públicas’