header top bar

section content

Bernardino Batista descola primeiro lugar no ranking de Gestão Fiscal; Cajazeiras amarga a 90ª posição no estado

Para saber qual posição no ranking do estado da Paraíba acesse: diariodosertao.com.br. Confira mais informações clicando aqui!

Por Luzia de Sousa

15/08/2016 às 10h25 • atualizado em 15/08/2016 às 18h36

Cidade de Bernardino Batista. Confira!

O índice Firjan de Desenvolvimento Municipal, que mede os índices das cidades de todo Brasil atestou esta semana, que a cidade de Bernardino Batista, Sertão do estado é o primeiro lugar em Gestão Fiscal da Paraíba. O ano base da análise de dados foi 2015.

+ Santa Helena dá salto na educação em um ano de governo; Cajazeiras cai oito posições

Educação de Bernardino Batista sobe para 7º lugar e Cajazeiras amarga a 116ª posição

Segundo o Firjan, Bernardino Batista é modelo em gestão fiscal na Paraíba, o que lhe conferiu a primeira colocação no ranking estadual.

A mesma entidade nacional conferiu também a Bernardino Batista, uma das melhores do estado na área de educação, onde conseguiu a 7ª colocação.

Mais
A cidade de Uiraúna, região de Cajazeiras conseguiu a segunda posição no ranking de Gestão Fiscal na Paraíba. Poço Dantas aparece logo em seguida, na terceira posição no estado.

Poço José de Moura aparece 63º posição. Monte Horebe no 68º lugar. São João do Rio do Peixe surge no 78° lugar. Bonito de Santa Fé ocupa o 86º e Cajazeiras no 90ª posição no ranking estadual.

Para saber a colocação de todos os município acesse aqui!

Veja! 

.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

ALERTA!

VÍDEO: Xeque Mate recebe bombeiros militares em programa sobre acidentes dométicos e primeiros socorros

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Se reforma da Previdência não cortar privilégios, sociedade deve ‘gritar’ contra ela, diz padre

INFRAESTRUTURA

VÍDEO: Chuvas destroem ruas de Cajazeiras que não são pavimentadas e moradores cobram ação da Prefeitura

VETERANO DA MÚSICA

VÍDEO: Em Cajazeiras, cantor de renome nacional critica sertanejo universitário: “Virou uma baderna”