header top bar

section content

Polícia Federal investiga fraudes nos quatro maiores fundos de pensão do país; ex-tesoureiro do PT é alvo em nova operação

Policiais cumprem 127 mandados judiciais expedidos em SP, RJ, BA, ES, RS, PR, SC, AM e DF

Por Campelo Sousa

05/09/2016 às 13h08

A operação objetiva apurar a atuação de operadores no mercado financeiro. (Foto: N.M/Futura Press/Estadão Conteúdo)

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta segunda-feira (5) a Operação Greenfield, que investiga crimes de gestão temerária e fraudulenta em quatro dos maiores fundos de pensão do País: Funcef, Petros, da Petrobras Previ e Postalis.

Os desvios podem chegar a R$ 8 bilhões. A operação conta com o auxílio técnico do Ministério Público Federal, da Superintendência Nacional de Previdência Complementar e da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, entre os alvos da operação estão o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o executivo Leo Pinheiro, ex-presidente da OAS, alvo de mandado de condução coercitiva — quando o investigado é levado a depor e liberado. Os dois também são investigados pela Operação Lava Jato.

O ex-presidente do Postalis Alexej Predtechensky também foi conduzido de forma coercitiva. Predtechensky foi denunciado, em julho deste ano, pela Procuradoria da República, em São Paulo. O ex-presidente do Postalis e mais sete investigados são acusados de fraude milionário no fundo de pensão dos Correios.

Ao todo, 560 policiais federais cumprem 127 mandados judiciais expedidos nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Amazonas, além do Distrito Federal. A Justiça determinou ainda o sequestro de bens e o bloqueio de ativos e de recursos em contas bancárias de 103 pessoas físicas e jurídicas que são alvos da operação, no valor aproximado de R$ 8 bilhões.

Operação da PF confisca avião, 139 carros e 90 imóveis

De acordo com a PF, as investigações começaram a partir de dez casos investigados que revelaram déficits bilionários nos fundos de pensão. Entre os dez casos, oito são relacionados a investimentos realizadas de forma temerária ou fraudulenta pelos fundos de pensão, por meio dos FIPs (fundos de Investimentos em Participações).

Durante as investigações, foram identificados um núcleo empresarial, um núcleo dirigente de fundos de pensão, um núcleo de empresas avaliadoras de ativos e um núcleo de gestores e administradores dos FIPs.

Os investigados responderão por gestão temerária ou fraudulenta, além de outros crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, previstos na Lei nº 7.492/86.

O nome da operação faz alusão a investimentos que envolvem projetos incipientes (iniciantes, em construção), ainda no papel como se diz no jargão dos negócios. O contrário de investimentos Greenfield é o Brownfield, no qual os recursos são aportados em um empreendimento/empresa já em operação.

R7

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Governador rebate declaração de Gervásio Maia: “É mentira. A Cagepa vai continuar uma empresa pública”

ESPORTE E EDUCAÇÃO

VÍDEO: Colégio Nossa Senhora do Carmo, em Cajazeiras, encerra o ano letivo 2019 com Olimpíadas Internas

ORÇAMENTO DEMOCRÁTICO

VÍDEO: Conselheiros do OD se confraternizam em Cajazeiras e já iniciam debates sobre as ações para 2020

EDUCAÇÃO E EMPREGO

VÍDEO: Mensagem Empresarial recebe coordenadora e estudantes do Núcleo de Empregabilidade da FSM