header top bar

section content

Loures pede para não ter cabelo raspado. Decisão depende de Fachin

O ex-assessor especial do presidente Michel Temer alegou que não quer passar pela experiência do empresário Eike Batista, preso em janeiro.

Por Priscila Belmont

08/06/2017 às 09h08

Foto: Brizza Cavalcante / Agência Deputados

O penteado do ex-assessor especial do presidente Michel Temer (PMDB) e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) está nas mãos do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. Relator da Operação Lava Jato na Corte, ele vai decidir se acolhe pedido do ex-parlamentar, que não quer ter a cabeça raspada na Papuda, complexo penitenciário para onde deverá ser transferido nesta quarta-feira (7/6).

Loures alegou que não quer passar pela experiência do empresário Eike Batista, preso em janeiro na Operação Eficiência — desdobramento da Lava Jato — por suposta propina de US$ 16,5 milhões para o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ) — que está detido. Em Bangu (RJ), onde ficou encarcerado, Eike teve a cabeça raspada.

“Aproveita-se a oportunidade para requerer a Vossa Excelência que determine, com urgência, que lhe seja assegurado o máximo respeito aos seus direitos e garantias fundamentais, especialmente que não seja imposto tratamento desumano e cruel, respeitando e assegurando a sua integridade física, especialmente que não se lhe raspe o cabelo como fizeram no Rio de Janeiro com Eike Batista”, requereu o advogado Cezar Bittencourt, que defende Rocha Loures, o “homem da mala” — como ficou conhecido.

Metrópoles

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Secretário de João Azevêdo defende aproximação de Dra Paula e Zé Aldemir ao Governo estadual

BRIGA NO CARNAVAL

VÍDEO: Autoridades policiais revelam que suspeitos do crime na Vila Nova em Cajazeiras alegaram vingança

SAÚDE

VÍDEO: Mensagem Empresarial recebe médico radiologista e tira dúvidas sobre os exames por imagem

CRISE NO PSB

VÍDEO: Nonato Bandeira evita dar resposta a Ricardo por determinação de João Azevêdo: “Estamos focado no trabalho”