header top bar

section content

Em mensagem de celular, Cunha diz que propina ‘atrasa, mas não falha’

Relatório da PF aponta esquema de distribuição de pagamentos entre membros do PMDB

Por Priscila Belmont

07/08/2017 às 10h32

Em uma das conversas, de 2012, o o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) agradece um repasse.

A Polícia Federal produziu um relatório a partir de mensagens obtidas no celular do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). As conversas revelam esquemas de pagamento de propina para integrantes de seu partido.

Em uma das conversas, de 2012, o o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) agradece um repasse. “Chegou! Valeu. Agradeça lá”, diz ele, sobre o pagamento indevido. Cunha responde: “Claro, não tinha dúvidas. Aqui se atrasa, mas não falha”.

De acordo com o jornal O Globo, o celular de Cunha foi foi apreendido pela PF em buscas feitas em dezembro de 2015. O relatório foi concluído em dezembro do ano passado e enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF). O sigilo do documento foi retirado somente agora.

O relatório mostra, ainda, que Cunha orientava aliados a a votarem medidas provisórias de acordo com seus interesses e influenciava a nomeação de cargos públicos.

Notícias ao Minuto

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Governador João Azevêdo fala sobre o afastamento político com Ricardo Coutinho e mudanças no Governo

TRAGÉDIA

VÍDEO E FOTOS: Delegado dá detalhes do grave acidente próximo a parque de vaquejada em Cajazeiras

ESPERANÇA

VÍDEO: Presidente da OAB declara que luta pela permanência da Vara do Trabalho de Cajazeiras não acabou

ENTREVISTA

VÍDEO EXCLUSIVO: Governador anuncia obras no Sertão, esclarece polêmicas e fala de relação com Ricardo