header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

Importante articulador da juventude no Sertão declara decepção com PSDB e anuncia mudança de partido

O universitário alegou ainda, que o partido ‘boicotou’ a participação da juventude

Por

13/10/2015 às 15h00

jovem universitário do curso de Direito, Sílvio Darlan anuncia saída do PSDB

O jovem universitário do curso de Direito, Sílvio Darlan, da cidade de Conceição anunciou neste final de semana que deixará o Partido da Social Democracia Brasileira, do senador Cássio Cunha Lima.

De acordo com o estudante, a sigla partidária o decepcionou e agora buscará novos horizontes políticos, inclusive com pretensão para disputar cargo eletivo em 2016.

Sílvio Darlan liderou o movimento que mobilizou estudantes de várias cidades do Vale do Piancó  para solicitar do governo estadual atenção ao ensino superior. O estudante que também milita nos movimentos estudantis de Patos.

Veja também:

?Vereador tenta tirar mérito de estudantes em movimento por universidade no Sertão da Paraíba

Ele declarou também, que durante os bastidores da audiência do orçamento democrático com o governo, muita coisa repercutiu na tentativa de intimidar a participação dos estudantes  na câmara municipal de Conceição

O universitário alegou ainda, que o partido ‘boicotou’ a participação da juventude e por esses motivos se sentiu incomodado com as práticas da legenda.

“A política em conceição é nitidamente um jogo de cartas marcadas, os nomes são sempre os mesmos, a ideia particular acima do coletivo". Queixou-se o jovem.

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça