header top bar

section content

CPI DA PANDEMIA: médica infectologista diz que não sabe o motivo da saída do Ministério da Saúde

"Entendi que a coisa estava se arrastando e que não iria acontecer", afirmou

Por Agência Brasil

02/06/2021 às 15h05 • atualizado em 02/06/2021 às 15h07

Fachada do Ministério da Saúde na Esplanada dos Ministérios (Foto: Marcello Casal Jr)

Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado, nesta quarta-feira (2), a médica infectologista Luana Araújo disse que não sabe o motivo de sua saída da equipe do Ministério da Saúde.

Aos senadores, acrescentou que, apesar de ter trabalhado alguns dias no ministério, não chegou a ter sua nomeação publicada para chefiar a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19.

Questionada se sua posição pública contrária ao uso da cloroquina no tratamento de pacientes de covid-19 foi o motivo de sua saída, a médica também não soube responder.

“Entendi que a coisa estava se arrastando e que não iria acontecer”, afirmou.

Ao se definir como “uma pessoa assertiva e segura da sua competência”, a infectologista relatou que, apesar de não ter recebido uma justificativa detalhada do motivo da desistência do seu nome para integrar a equipe do ministério, foi procurada pelo ministro Marcelo Queiroga.

“O ministro, com toda a hombridade que ele teve ao me chamar, ao fazer o convite, me chamou ao final e disse que lamentava, mas que a minha nomeação não sairia, que meu nome não teria sido aprovado”, relatou.

Formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e com residência em infectologia pela mesma instituição, Luana Araújo também é mestre pela Universidade de Saúde Pública Johns Hopkins.

A médica disse à CPI que quando foi convidada pelo atual ministro da Saúde para chefiar uma secretaria na pasta lhe foi apresentado “um projeto sólido, baseado em evidências, de superação desses obstáculos no contexto brasileiro, e também a necessidade de alguém técnico e competente para conduzir esse trabalho”.

“Aceitaria o convite para esta posição enquanto me fosse garantida a autonomia necessária e sempre – sempre – fossem respeitadas a cientificidade e a tecnicidade.

Vejam, eu pleiteei autonomia, não insubordinação ou anarquia”, ressaltou.

Testagem

Questionada sobre o que fez na pasta nos dez dias de trabalho, a infectologista disse que foi consultora de Queiroga em vários assuntos: desde a vacinação propriamente dita, do momento das gestantes e dos eventos adversos, até o programa de testagem em massa.

“Acho que é público que o nosso programa de testagem, até esse momento, era um programa com inúmeras falhas, um programa reativo, um programa que precisava retomar as rédeas do diagnóstico e do rastreamento de contato de pacientes”, avaliou.

Tatamento precocer

Sobre se teria discutido protocolos de tratamento precoce da covid-19, com o ministro, Luana ressaltou que o Brasil não deveria estar ainda debatendo um assunto que, segundo ela, já é “pacificado em todo o mundo”.

“O ministro Marcelo Queiroga é um homem da ciência. Todos nós somos absolutamente a favor de uma terapia precoce que exista.

Quando ela não existe, ela não pode se tornar uma política de saúde pública”, observou.

“A gente precisa desenvolver soluções, estratégias claras, adaptadas ao nosso povo.

A gente precisa ajudar o gestor, que, neste momento, é o ministro Queiroga, a conseguir os resultados que ele precisa. Porque desses resultados dependemos todos nós”, acrescentou.

'PASSAPORTE SANITÁRIO'

VÍDEO: Exigência do cartão de vacinação para clientes de bares e restaurantes em Cajazeiras gera debate

IMUNIZAÇÃO

VÍDEO: João Azevêdo fala sobre obrigatoriedade de vacina e acredita que em breve cartão será exigido

CHAMA, CHAMA ELA!

VÍDEO: ‘Repórter do Povo’ da TV Diário do Sertão é vacinada contra a Covid ao vivo e vibra: ‘Imunizada!’

VALORIZAÇÃO HISTÓRICA

VÍDEO: NEC de Cajazeiras está às vésperas de completar 100 anos e ganha projeto de reforma e ampliação

Recomendado pelo Google: