header top bar

section content

Vereador discorda da Justiça de CZ e diz: Vou pedir sessão para derrubar liminar. VÍDEO!

Marcos Barros declarou que vai mobilizar a imprensa e a sociedade civil para manter os efeitos da lei municipal.

Por

24/07/2014 às 17h08

Marcos Barros fala sobre mandato do novo prefeito de Cajazeiras

O vereador Marcos Barros (PSB), autor da lei municipal que proibia o corte no fornecimento de água e luz em Cajazeiras durante os feriados, vésperas de feriados e finais de semana, disse nesta quinta-feira que não entendeu os motivos que levaram a justiça suspender os efeitos da referida lei. “Respeito mas não entendo”.

Segundo o vereador, a Cagepa vem cumprindo a determinação deste que a lei entrou em vigor no município, mas o mesmo não ocorre com a Energisa, que sempre descumpriu a determinação, até que conseguiu derrubar a lei.

Marcos Barros declarou que vai mobilizar a imprensa e a sociedade civil para manter os efeitos da lei municipal.

O vereador justificou que a lei é legítima, pois as prestadoras de serviços têm sedes em Cajazeiras, onde podem ser legisladas pelo município. “O legislativo tem poder de legislar no âmbito do município”.

O socialista declarou que é a lei municipal tem legitimidade, pois os vereadores seguiram a Lei Orgânica do município. “Estamos tranquilos quanto a isto”.

Marcos Barros adiantou que vai solicitar do presidente da Câmara uma sessão extraordinária para declarar que não concorda com a decisão judicial e tentar reerter o quadro. “Esta lei beneficia do menor ao maior”.

Veja vídeo!

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:

Recomendado para você pelo google

RELAÇÃO COM EMPRESÁRIOS

VÍDEO: Prefeito de Cajazeiras não descarta fazer uma reforma tributária e manda recado para ‘algozes’

SERVIÇO MILITAR

VÍDEO: Quase 100 novos atiradores são incorporados ao Tiro de Guerra de Cajazeiras durante solenidade

TRIMESTRE CHUVOSO

VÍDEO: Açude Grande de Cajazeiras sangra pela primeira vez em 2019 e traz esperança para a população

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras