header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

Prefeita da região de Cajazeiras fecha parceria com Estado e anuncia capacitação profissional

A Prefeitura instalou a Coordenadoria da Mulher, com um espaço intitulado Casa da Mulher, voltado para a capacitação e o atendimento à violência.

Por

19/10/2013 às 09h38

A presidente do Centro de Apoio a Criança e ao Adolescente (Cendac), Valquíria Alencar, recebeu a prefeita da cidade de Monte Horebe, Cláudia Dias (DEM), para renovar parceria na realização de cursos profissionalizantes e de várias ações no município. A prefeita esteve acompanhada do secretário de Planejamento do município, Erivaldo Jacó. Durante o encontro, foi assinado comodato de máquinas de costura para serem utilizadas na formação profissional dos alunos.

O município de Monte Horebe já é parceiro do Cendac desde 2011, tendo realizado cursos de Corte e Costura, Estética Corporal e Revestimento em Paredes, capacitando profissionalmente 75 jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social. Em dois anos, o Cendac disponibilizou 173 cursos profissionalizantes, beneficiando 3.980 jovens e adultos de 55 cidades da Paraíba.

A Prefeitura de Monte Horebe instalou a Coordenadoria da Mulher, com um espaço intitulado Casa da Mulher, voltado para a capacitação de mulheres e o atendimento à violência contra a mulher.

“Com a renovação do termo de compromisso, a Prefeitura de Monte Horebe, com o apoio do Governo do Estado, terá mais profissionais capacitados, fator de significativa importância para o município” destacou Valquíria Alencar.

Da Assessoria

Tags:
BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça