header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

Aluna de Cajazeiras passa mal após ritual de invocação de espírito dentro de escola. Veja!

Segundo informações da Casa Espírita, a adolescente ‘incorporou’ após a brincadeira dos lápis, que após girarem, parou na direção da menina.

Por

09/06/2015 às 06h30

Alunos participam de ritual em Cajazeiras. Veja

Um ritual de invocação de espíritos vem se tornando comum durante o intervalo em escolas públicas da cidade de Cajazeiras. Segundo informações apuradas pelo portal Diário do Sertão, uma estudante passou mal após a brincadeira "Charlie Charlie" e foi levada a uma Casa Espírita da cidade, onde passou por ‘limpeza espiritual’

Segundo informações da Casa Espírita, a adolescente ‘incorporou’ após a brincadeira dos lápis, que após girarem, parou na direção da menina.

O ritual "Charlie Charlie" envolve colocar dois lápis um em cima do outro em forma de cruz, e escrever as palavras "sim" e "não" nos quadrados formados por eles. O invocador deve então perguntar "Charlie Charlie, você está aí?". Se um dos lápis se mover para a palavra "sim", o espírito estará presente.

As pessoas que atenderam a menina em Cajazeiras informaram que ela foi levada pela mãe que estava muito preocupada, pois a filha não parava de tremer o corpo inteiro. 

Os Médiuns alertaram para o perigo e destacaram que a força espiritual não deve ser levada como brincadeira, pois pode gerar graves problemas na vida das pessoas e pediram atenção por parte dos pais para conversar com os filhos sobre o assunto.

No mês passado um fato semelhante foi registrado cidade de Manaus e várias alunas passaram mal.

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
HERANÇA ARTÍSTICA

VÍDEO: Filho de grande nome da música brasileira agita a Festa do Brega no Cajazeiras Tênis Clube

EM JOÃO PESSOA

VÍDEO E FOTOS: Posse da nova diretoria da API é marcada por repentes, lançamento de livro e emoção

DUPLA CERIMÔNIA

VÍDEO: OAB lança em Cajazeiras as chapas para as eleições da Seccional Paraíba e da Subseção local

EX-ALIADO

VÍDEO: Vereador revela que defender professores foi a ‘bomba’ que iniciou rompimento com José Aldemir