header top bar

section content

Governador atende pleito e alongamento de adutora será iniciado em Bonito de Santa Fé

Recursos da ordem de R$ 250 mil estão sendo investidos nesse empreendimento.

Por Luzia de Sousa

29/06/2016 às 14h11 • atualizado em 30/06/2016 às 11h55

Alongamento da adutora de Bonito de Santa Fé!

A reivindicação feita pela prefeita Alderi Caju (PMDB), o vereador Chico Pereira (PSB) e o deputado estadual Gervásio Maia (PSB) foi atendida pelo Governador Ricardo Coutinho (PSB). Nessa terça-feira (28) o Governo do Estado, por meio da Cagepa, já enviou os tubos para fazer o alongamento da adutora do açude Bartolomeu que abastece Bonito de Santa Fé.

Com o nível hídrico do reservatório muito baixo, o alongamento de 600 metros na tubulação é necessário para a mudança do local do sistema de captação flutuante da água para outro mais profundo. Segundo o socialista, o serviço de implantação dos tubos será iniciado o mais breve possível, porque a população não pode ficar sem água.

Recursos da ordem de R$ 250 mil estão sendo investidos nesse empreendimento, que vai normalizar o abastecimento de água em Bonito de Santa Fé por um período de mais 4 ou 5 meses, afirmou Chico Pereira.

De acordo levantamento feito pelo Radar Sertanejo, com bases nos últimos dados oficiais divulgados no boletim da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa), o Açude Bartolomeu está apenas com 9,9% do volume total, o equivalente a 1,7 milhões de metros cúbicos de água, por conta dos últimos 4 anos de chuvas abaixo da média na região.

Bonito2

DIÁRIO DO SERTÃO  com Radar Sertanejo

Recomendado para você pelo google

RELAÇÃO COM EMPRESÁRIOS

VÍDEO: Prefeito de Cajazeiras não descarta fazer uma reforma tributária e manda recado para ‘algozes’

SERVIÇO MILITAR

VÍDEO: Quase 100 novos atiradores são incorporados ao Tiro de Guerra de Cajazeiras durante solenidade

TRIMESTRE CHUVOSO

VÍDEO: Açude Grande de Cajazeiras sangra pela primeira vez em 2019 e traz esperança para a população

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras