header top bar

section content

Justiça determina religamento de energia elétrica de prédios de prefeitura da região de Sousa; Corte ocorreu por falta de pagamento

O prefeito municipal efetuou o pagamento do mês de janeiro do corrente ano, requerendo o parcelamento dos débitos atrasados.

Por Luzia de Sousa

03/03/2017 às 15h15 • atualizado em 03/03/2017 às 15h44

Contas de energia deverão passar por alteração (Foto: Walla Santos)

Em decisão proferida nesta sexta-feira (03), o Juiz José Normando Fernandes, que responde pela 4ª Vara da Comarca de Sousa concedeu liminar, em ação de obrigação de fazer, determinando o restabelecimento da energia de prédios Públicos da Prefeitura, CRAS, Secretária da Saúde e Delegacia de Polícia, cortada por ordem da Energisa na véspera do período de carnaval, em virtude de débitos da gestão anterior.

A Energisa determinou o corte alegando falta de pagamento, entretanto o prefeito Athaide Gonçalves Diniz efetuou o pagamento do mês de janeiro do corrente ano, requerendo o parcelamento dos débitos da gestão anterior, que foi indeferido pela Energisa.

Visando não prejudicar o funcionamento dos órgãos públicos, o prefeito de Lastro, através da medida judicial, conseguiu que a medida de urgência, quando o Juiz competente determinou, também, a “Energisa efetue imediatamente o restabelecimento do fornecimento de energia elétrica dos prédios públicos descritos na inicial, bem como se abstenha de suspender o fornecimento de energia em razão do débito ora discutido. Intime-se a demandada(Energisa) para dar cumprimento”, concluiu o magistrado.

DIÁRIO DO SERTÃO com assessoria

PROBLEMA GRAVE

VÍDEO: No Xeque-Mate, voluntários debatem sobre maus tratos e abandono de animais em Cajazeiras

SANTO PADROEIRO

VÍDEO: Padre anuncia programação da festa de Dom Bosco em Cajazeiras; festival de música é confirmado

FÓRUM AÇUDE GRANDE

VÍDEO: Grupo entrega documento no MP para fortalecer campanha de revitalização do açude de Cajazeiras

"FICOU DESPREZADA"

VÍDEO: Mulher acusa HRC de negligência no caso da morte de sua irmã após parto; hospital responde