header top bar

section content

CZ: Após 5 meses da morte de universitária, mãe chora, ameaça manifesto e pede justiça

Indignada e chorando, Jaqueline ameaçou reunir estudantes da Faculdade Santa Maria e da Faculdade São Francisco para realizar uma manifestação

Por

16/04/2014 às 16h26

Olimeyre após o acidente, antes de falecer

Nesta quarta-feira (16), Jaqueline Coelho, mãe da jovem Olimeyre Cristina Almeida Coelho, procurou a reportagem da TV Diário do Sertão para fazer uma denúncia. Segundo ela, se passaram cinco meses desde a morte de sua filha e, o caso continua completamente impune.

Indignada e chorando, Jaqueline ameaçou reunir estudantes da Faculdade Santa Maria e da Faculdade São Francisco, ex-colegas de sua filha Olimeyre para realizar uma manifestação pedindo que seja feita justiça no caso da moça que foi atropelada.

Olimeyre foi vítima de um grave acidente no dia dois de outubro de 2013, na BR 230, cidade de Cajazeiras. Após o fato, ficou internada e passou por um período muito doloroso de vegetação, mas, não resistiu e acabou falecendo.

Segundo a dona de casa Jaqueline, Antonio Pereira da Costa está envolvido no acidente que matou sua filha e sequer foi ouvido pela justiça. “Ele matou minha filha atropelada e nem deu depoimento”, disse.

A mãe de Olimeyre citou inclusive outros casos de morte de jovens no trânsito como os das jovens Gilzeanne Assis e Jandira Lordão que tinha apenas 14 anos quando faleceu vítima de um violento acidente. “Quem mata no trânsito por irresponsabilidade tem que pagar. Não vou deixar ficar impune, enquanto for viva vou lutar”, disse.

Veja Vídeo!

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
DEPENOU O GALO

VEJA OS GOLS: Atlético de Cajazeiras vence o Treze de Campina e assume a liderança isolada do Paraibano

NA TELA DA TV DIÁRIO

Diário Esportivo traz tudo sobre a 2ª rodada do Paraibano; Tático narra gol da vitória do Atlético

SE CUIDE!

VÍDEO: No Janeiro Branco, Diversidade em Foco promove uma ‘Conversa sobre suicídio e como evitá-lo?’

RECONHECIMENTO

Prefeito de Sousa garante ajuda mensal ao médico cubano: “Eu irei ajudá-lo em todos os momentos”