header top bar

section content

Francisco Cartaxo

Francisco Sales Cartaxo Rolim foi secretário de planejamento do governo de Ivan Bichara, secretário-adjunto da fazenda de Pernambuco – governo de Miguel Arraes. É escritor, filiado à UBE/PE e membro-fundador da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Autor de, entre outros livros, Guerra ao fanatismo: a diocese de Cajazeiras no cerco ao padre Cícero.

Email: cartaxorolim@gmail.com

| 12/05/2019 13:17

Deusdedit Leitão quase centenário

Por Francisco Frassales Cartaxo A figura de Deusdedit Leitão aflora sempre que escuto alguém falar da origem da Academia Cajazeirense de Artes e Letras, a ser instalada, no dia 24 de maio, no Cajazeiras Tênis Clube. Não é sem razão. A ACAL tem entre os seus objetivos preservar a memória de Cajazeiras. Ninguém melhor do […]


| 07/05/2019 16:09

O algodão e a Universidade

Em Cajazeiras não existem mais as usinas de descaroçamento de algodão nem prensagem da pluma nem fábricas de óleo e sabão. O bicudo destruiu o complexo produtivo baseado no tripé algodão, pecuária e lavouras de subsistência. O semiárido nordestino ficou desarvorado a procurar de alternativas econômicas para substituir o algodão por outras atividades geradoras de […]


| 29/04/2019 08:15

Nova etapa da Academia de Artes e Letras

Havia quem não acreditasse. Alguns até olhavam com desconfiança, tantas foram as tentativas frustradas. Desde 2000, no bojo das comemorações do bicentenário de nascimento do padre Inácio Rolim, sem contar desejos alimentados lá atrás por um ou outro intelectual cajazeirense. O cansaço de ver malogradas essas iniciativas, talvez, tenha provocado manifestações de descrença por meio […]


| 21/04/2019 09:25

O Nordeste e o mito Jair

Acabou-se o tempo das frases de efeito, quando todos concordavam que nosso problema era somente a escassez d’água. A solução, portanto, era construir poços, grandes, médios e pequenos açudes. Frases tonitruantes enchiam corações de esperança! “Venderei o último brilhante da coroa, mas não deixarei um cearense morrer de sede”. Disse Pedro II, diante de terrível […]


| 15/04/2019 09:33

Cem dias do governo de Jair

Relutei em escrever estas linhas. Cem dias é pouco tempo para avaliar um governo autoproclamado de mudança. Eu havia prometido silenciar até o término daquele cabalístico prazo. Pronto, o prazo esgotou-se. Igual a paciência de alguns eleitores de Jair, que já andam resmungando, cabisbaixos, talvez arrependidos do voto num candidato pouco conhecido. Dia desses, ouvi […]


| 08/04/2019 09:38

A menina do cachorro, quem diria

Anda sumida. A menina escafedeu-se. Há muito tempo que não vejo seu desfilar de garça a segurar a cordinha do cachorro, no ritmo da necessidade fisiológica do cão, a alegria de libertar-se da prisão caseira no bairro de Casa Forte. O porte esbelto em feição de palmeira imperial, as folhas ao vento, se mal compare […]


| 31/03/2019 09:39

Revisão do morticínio eleitoral de Cajazeiras

O fato político mais relevante da história de Cajazeiras foi o conflito armado, no dia 18 de agosto de 1872, quando morreram seis pessoas e outras tantas ficaram feridas. Decorridos quase 150 anos do episódio, conhecido como o morticínio eleitoral de Cajazeiras, ainda hoje persistem dúvidas e controvérsias entre estudiosos de nosso passado. Além do […]


| 25/03/2019 08:57

Contribuição para a história de Cajazeiras

No dia 22 de abril termina o prazo para a entrega dos perfis biográficos dos Patronos da Academia Cajazeirense de Artes e Letras. Essa data foi definida na assembleia geral realizada em 17 de janeiro, no Espaço Cultural Zé do Norte. Com isso, finda a etapa da escolha definitiva dos membros fundadores da ACAL, pois […]


| 18/03/2019 09:41

O sabiá morto de saudade?

Quando retornei do carnaval, em Cajazeiras, encontrei um burburinho na entrada do prédio onde moro no Recife. Um clima de excitação tomava conta do porteiro, do vigia, do zelador, todos ansiosos, querendo falar comigo ao mesmo tempo. O Santa Cruz venceu de goleada, pensei, ou levara uma surra? Talvez tenha acontecido alguma pequena tragédia no […]


| 10/03/2019 12:13

Padre Moreira, que padre Moreira?

Errei, mas não maldigo o erro. Não fora o erro não haveria o acerto. Assim como, sem a feiura inexistiria a beleza, dizem. Ou, sem a pudicícia, a sensualidade jamais teria a explosão aguardada pelos amantes. Bendigo o erro, portanto. Ele me dá a oportunidade de corrigi-lo, agora, pondo os pingos nos devidos lugares. Semana […]

Recomendado para você pelo google