header top bar

Alexandre Costa

section content

A pandemia, o desemprego e os hipócritas

05/12/2020 às 12h27

Coluna de Alexandre Costa

Por Alexandre Costa

“O acordo incestuoso entre a Justiça Eleitoral e Congresso Nacional que permitiu as eleições de 2020 foi a causa principal do recrudescimento dos casos da COVID -19  no Brasil”

 Após quatro dias do encerramentos das eleições  municipais de 2020, o diretor da Unimed/João Pessoa, Gualter Ramalho,  controladora do mais importante nosocômio da rede privada do estado , o conhecido Hospital da UNIMED,  alertou a toda  Paraíba  sobre a  alta crescente de ocupação  de leitos de UTI   para tratamento de COVID 19  atingindo a preocupante marca de mais 80% de ocupação e um aumento considerável de atendimentos de pacientes com síndrome gripal,  25% mais casos do que no pico da pandemia registrado no último mês de maio. O preocupante depoimento do diretor da UNIMED,   juntamente com outro fato mais grave, o anuncio  ás pressas, do Secretário de Saúde do Estado, Dr. Geraldo Medeiros, da reativação de mais novos leitos para Covid -19 para rede de hospitais do estado. São dados irrefutáveis do impiedoso recrudescimento da taxa de contaminação da COVID-19 em todo o Estado da Paraíba.  Não necessitaria ser epidemiologista   ou ter bola de cristal para antever a materialização desse cenário, não só na Paraíba, mas em todo o Brasil, depois do acordo incestuoso entre o Congresso Nacional e a Justiça Eleitoral que permitiu a realização do último pleito eleitoral em plena pandemia da COVID 19.

Esta foi a principal causa do recrudescimento dos casos de COVID 19 no Brasil.  E a conta da irresponsabilidade extrema chegou: A media dos casos subiu de 16,1 mil no início da pandemia para mais de 35,0 mil até o final de novembro. Uma alta de mais de 120%.  A história haverá de julgar os chefes desses dois poderes, que a pretexto de salvaguardar a democracia, embarcaram em uma obscura e hipócrita defesa da realização da eleição a qualquer preço sem medir as previsíveis consequências desrespeitando o maior e inalienável bem do ser humano. A Vida.

Peço desculpas aos  meus  caros  e diletos  leitores  pelo meu  desabafo, porque sei a fundo o drama e a angustia  de conviver com parentes infectados,  também  fui  uma das vítimas da COVID 19,  consegui sobreviver graças ao meu pai eterno, mas  perdi  uma irmã, uma  medica geriatra que prestava serviços a esse  mesmo hospital da UNIMED, Dra. Fatima Cartaxo Costa, vítima  dessa implacável doença.

Enquanto isso, além de estarmos sendo fustigados impiedosamente, pela maior crise sanitária que se abateu sobre humanidade no mundo moderno, ainda somos vítimas de um dos principais impactos econômicos provocados diretamente pela doença: O desemprego. O quadro é devastador, segundo números do IBGE- Instituto  Brasileiro  de  Geografia  e  Estatística   através  da  PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de  Domicilio)  Continua   fechamos o penúltimo  trimestre de 2020 com uma taxa recorde de desemprego de 14,6%;  14,1 milhões de brasileiros sem emprego, sendo  31,6 milhões na trabalhando na informalidade sem registro na carteira de trabalho, foram mais de 1,3 milhão de que passaram a engrossar a fila em busca de um trabalho no brasil. Neste período apenas dois setores geraram vagas de trabalho,  o agronegócio, que literalmente leva o pais nas costa, com  um aumento 3,8% , seguido da construção  com 7,5%. O leitor mais atento deve estar a perguntar: E o crescimento em “V” do Ministro da Economia Paulo Guedes? Na verdade, segundo o CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados registrou em outubro, aumento de quase 400 mil novos empregos número de novos empregos. É quarto mês consecutivo de saldo positivo desde 1992 e considera apenas o mercado formal de trabalho. Apenas um alento.

Quais as perspectivas reais para reverter este quadro para 2021? O futuro é nebuloso.  Acredito que somente com o advento de uma vacina eficaz é que poderemos mudar esse jogo. Até lá o Governo Federal vai ter que prorrogar todas as medidas econômicas de enfrentamento a COVID-19  passando pelo o auxilio emergencial, prorrogação e suspenção de contratos de trabalho, manter linhas de créditos para o empresariado para evitar o colapso na economia. Os grandes questionamentos que ficam são: Até quando o caixa do governo suportará essa sangria de recursos que já gerou nos já combalidos cofres da União um rombo de mais 700 bilhões de reais de e déficit (cerca de 10% do PIB) nas contas públicas? O grande risco que corremos com esse monumental desarranjo fiscal é despertarmos um dragão adormecido há 26 anos, que por décadas seguidas esmagou o povo brasileiro. A inflação!

Alexandre Costa

Alexandre Costa

Alexandre José Cartaxo da Costa é engenheiro, empresário, presidente da CDL Cajazeiras, diretor da Fecomercio  PB e membro da ACAL.

Contato: cartaxocosta@gmail.com

'DEUS TÁ NA FRENTE'

VÍDEO: Dra. Paula pede orações após Zé Aldemir ser transferido para hospital Sírio Libanês em São Paulo

BAIXOU O NÍVEL

VÍDEO: Durante sessão da Câmara, vereador manda colega ‘enfiar a língua naquele canto’, em cidade da PB

PRESENTE MELHOR NÃO HÁ

VÍDEO EMOCIONANTE: Jovem da região de Cajazeiras que estava intubada em hospital de João Pessoa, acorda um dia antes do aniversário

DISCORDÂNCIA

VÍDEO: Vereador de Ipaumirim relata mudanças em PL que trata sobre alienação de prédios públicos

Alexandre Costa

Alexandre Costa

Alexandre José Cartaxo da Costa é engenheiro, empresário, presidente da CDL Cajazeiras, diretor da Fecomercio  PB e membro da ACAL.

Contato: cartaxocosta@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!