header top bar

José Antonio

section content

Alimentar-se de esperanças

09/11/2021 às 09h03

Coluna de José Antonio.

Por José Antonio

Jornal Gazeta, republicação artigo 1155

Seria possível uma pessoa alimentar-se só de esperanças? O que é um ser humano sem sua memória, sem os seus desejos, suas lembranças, sua história, suas audácias e suas esperanças?

Hoje, diante de mim, me olho como um novo personagem em busca de novas esperanças, novos caminhos, novos olhares, novas descobertas. Nestes difíceis tempos sinto que minhas asas me levam a novos vôos, mas minhas profundas raízes não me deixam fugir para lugares mais distantes.

Tenho procurado narrativas para esta nova caminhada, tenho sentido necessidade de novos diálogos, de conversas simples e sem erudição, sem retórica como uma simples anotação de pé de página.

Nestes difíceis tempos estaria conspirando contra mim mesmo, contra minhas esperanças, minhas saudades, meus velhos sonhos e do meu arraigado ser telúrico?

A questão do tempo e da memória tem conspirado contra mim e tem colocado pedras imensas entre o querer e o fazer, entre o ir e o ficar. Eis um dilema que nos leva a refletir sobre as asas e as raízes que todo ser humano possui e a partir daí nascem todas as suas contradições.

Ao longo desta caminhada construí imensos arquivos, cataloguei uma montanha de documentos, me alimentei das questões do tempo e da memória, para nunca poder esquecer o passado.

Sempre gostei de conspirar, de me interrogar e de buscar o máximo possível aproximar a narrativa do fato e de tentar compreender a sua transcendência, eixos fundamentais do conhecimento histórico.

E o tempo? E a memória? E o esquecimento? Sempre estive de espada em punho contra todos e em busca de compreender que o tempo, para quem se alimenta de esperança, é o inicio, o meio e fim de toda caminhada. A memória é uma espécie de salvaguarda contra o esquecimento.

Tenho me interrogado do porque desta minha paixão por este folhetim que já completou 22 anos de vida. Procuro algum sentido e me vejo como se praticasse toda semana um gesto tresloucado, insano. Mas, infelizmente ainda não tenho uma resposta para esta pergunta.

A única possível resposta seria a de que vivemos de esperança, alimentada sempre de mais esperança.

Entre o ir e ficar, entre o morrer e o viver, entre a memória e o esquecimento, entre a paixão e o amor, entre o morrer e ressuscitar, entre o caminhar e parar, entre a distância e o perto são estes dilemas que fazem o homem crescer, viver, produzir e ir em busca de suas esperanças.

Enquanto há vida, a esperança é o alimento da alma.

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br

ACADEMIA CAJAZEIRENSE DE ARTES E LETRAS

VÍDEO: Presidente da ACAL diz que pandemia dificultou a aproximação entre membros da diretoria

RISCOS

VÍDEO: Dois bairros de Cajazeiras estão em alerta de surto de dengue; reportagem mostrou pontos críticos

NOVIDADES

VÍDEO: IFPB de Cajazeiras inicia aulas presenciais e anuncia seletivo com notas dos últimos quatro Enem

OPERAÇÃO ARACATI

VÍDEO: Delegado seccional destaca a quantidade de armas apreendidas em operação na região de Cajazeiras

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br

Recomendado pelo Google: