header top bar

Edivan Rodrigues

section content

Luiza Erundina

09/09/2009 às 06h48

Por Francisco Cartaxo

Em andanças pelo Brasil, cumprindo tarefas profissionais como consultor, vez por outra encontro pessoas com as quais dá gosto conversar. E quando se trata de conterrânea, então aumenta o prazer. É o caso de Luiza Erundina. Nascida em Uiraúna, migrou para São Paulo, onde depois de muito batalhar venceu, superando fortes preconceitos por ser mulher, pobre e nordestina. Sua trajetória é conhecida o suficiente para relembrá-la neste curto canto de página. Basta dizer apenas que chegou à prefeitura da capital paulista, pelo voto direto, quando ainda era filiada ao Partido dos Trabalhadores.

Hoje, Erundina é deputada federal pelo Partido Socialista Brasileiro, aliás, desde 1998, eleita que foi nos três pleitos que disputou, com votação em torno de 200 mil votos, mais de 80% obtidos na capital. Nos últimos tempos, Erundina anda desmotivada, sem ambiente na câmara dos deputados, desiludida com a maneira de seus pares exercerem o mandato, a maioria preocupada em defender interesses pessoais e familiares, e de grupos econômicos e financeiros.

Em conversa recente, falamos, ela e eu, acerca de coisas assim. Mas não pense o leitor que nossa irmã sertaneja vai jogar a toalha fora. Nem pensar. É muito forte seu compromisso com parcela expressiva do eleitorado paulista, em particular, as comunidades organizadas. Os vínculos estreitos com os movimentos sociais, sobretudo os das periferias carentes, constituem a razão de ser de seu mandato parlamentar. Por isso, ela sacode a desilusão para longe e vai em frente. Não posso abandonar essa gente que me acolheu desde que juntos, ombro a ombro, começamos a lutar por uma vida mais digna, me disse Erundina, os olhos brilhantes, a voz firme de quem coloca o exercício do mandato a serviço do bem comum. Ela foi e continua sendo um daqueles políticos que pode olhar no olho do eleitor sem medo ou vergonha porque não tem o que esconder.

Sua vida política é um constante vencer obstáculos. Antes, na época da ditadura, depois nas enviesadas disputas internas do seu primeiro partido, o PT, cheio de tendências ideológicas a infernizar até mesmo sua gestão na prefeitura de São Paulo, como se não bastasse a contestação, poderosa que sofreu e sofre das elites, sempre inconformadas com a liderança de uma nordestina, e ainda por cima, pobre e mulher.

No PSB, quando Miguel Arraes comandava o partido, ela enfrentou outros tipos de problemas, bem menores é verdade, causados pelas concepções divergentes que cada um adotava quanto às táticas para enfrentar os problemas brasileiros. E seus reflexos no interior da agremiação. Mas os dois, Arraes e Erundina, mantinham afinidades fundamentais, entre elas, a sólida convicção democrática, o espírito público que desemboca no compromisso real de servir à população acima de tudo. Tive a sorte de conviver com Arraes, no poder e fora do governo, e posso dar este testemunho. Como faço agora com relação a Erundina, após a satisfação de reencontrá-la em Brasília.

Edivan Rodrigues

Edivan Rodrigues

Juiz de Direito, Licenciado em Filosofia, Professor de Direito Eleitoral da FACISA, Secretário da Associação dos Magistrados da Paraíba – AMPB

Contato: edvanparis@uol.com.br

À DISPOSIÇÃO DA JUSTIÇA

VÍDEO: Comandante dá detalhes da prisão de suspeito detido na região de Sousa após assalto a carro-forte

DESABAFOU

VÍDEO: Professor fala sobre decepção por falta de apoio para instalar o Museu do Futebol em Cajazeiras

CRÍTICA

VÍDEO: Pastor de São João do Rio do Peixe cita exemplos de xenofobia e exalta qualidades do Sertão

LEMBRAR SEMPRE

VÍDEO: Médico que marcou a história da política do Rio Grande do Norte terá trajetória narrada em livro

Edivan Rodrigues

Edivan Rodrigues

Juiz de Direito, Licenciado em Filosofia, Professor de Direito Eleitoral da FACISA, Secretário da Associação dos Magistrados da Paraíba – AMPB

Contato: edvanparis@uol.com.br

Recomendado pelo Google: