header top bar

Mariana Moreira

section content

Os ícones e suas meias mentiras

12/11/2021 às 08h18

Cantora Marília Mendonça.

Por Mariana Moreira

A morte da cantora Marília Mendonça ganha dimensões midiáticas na proporção dos grandes astros forjados e temperados nas prensas e turbinas da poderosa indústria cultural.

Uma indústria que, antecipadamente, define comportamentos, tendências, gostos e ritmos musicais tendo como único e exclusivo parâmetro o mercado e suas milionárias cifras.

Uma indústria com força, alcance e capacidade de transformar, mas sem evoluir, a música caipira em ritmo sertanejo, a fossa e as dores de amores em “sofrência”, o feminismo em “feminejo”.

E como a indústria cultural e sua potente engrenagem transforma sem evoluir?

A primeira linha de montagem traz em suas esteiras a dissecação e a esterilização dos fatos, acontecimentos, modelos, comportamentos, ideias, conceitos, lhes extirpando quaisquer vestígios de crítica, questionamento, dissenção ou qualquer outro elemento que ponha em cheque o “status quo”. Limpo de toda “impureza” que possa aranhar o estabelecido o fato, o conceito, o comportamento recebe uma nova embalagem, com as cores fascinantes e sedutoras do consumo fácil e, assim, do lucro certo.

O passo seguinte, e, certamente, o mais incisivo dessa metamorfose, é a publicidade destes fatos, acontecimentos, modelos, conceitos. Uma disseminação massiva, ostensiva, repetitiva que vai transformando mentes e corpos, vai sedimentando como verdade única o dito feito e acabado, vai desqualificando e negativando quaisquer manifestações de dissonância, divergência, contraditório.

Assim, movimentos, ações, atitudes, posições culturais e políticas que se geram nas lutas e atos coletivos são desnudos e limpos de toda forma de contestação e, elevados a condição de ações e atitudes individuais que transformam indivíduos em ícones de uma luta política escoteira, sozinha, desgarrada. Uma luta que, dando audiência e movimentando cifrões, se fragiliza em sua potencialidade de mudança.

É nesta oficina que o feminismo se transforma em “feminejo”, como atitude de pessoas isoladas, que na proteção do palco e de esquemas de segurança, protesta contra a agressão a uma mulher na plateia. Um gesto que, ganhando a dimensão midiática de um ato de coragem individual, não abre espaço e fórum para a discussão da violência de gênero.

A nossa humanidade se irmana e se solidariza com a dor da morte da cantora e dos demais passageiros da aeronave. Sentimos o vazio que a saudade traz como forte tributo do ato de morrer. Sobretudo, quando este ato tem o desenlace de uma tragédia.

Mas, enquanto ser pensante, continuo dividindo com Millôr Fernandes, a compreensão de “nada é mais falso do que uma verdade estabelecida”.

Mariana Moreira

Mariana Moreira

Professora Universitária e Jornalista

Contato: altopiranhas@uol.com.br

TRISTEZA

VÍDEO: Atos fúnebres dos PRFs assassinados em Fortaleza é marcado por homenagens e muita comoção

SITUAÇÃO DIFÍCIL

VÍDEO: Portador de doença rara que mora em sítio de Cajazeiras fala sobre dificuldades para tratamento

COMUNICADO

VÍDEO: CDL de Cajazeiras confirma fechamento do comércio no Dia do Comerciário; Sousa funciona normal

LUTO

VÍDEO: Cajazeirense de 16 anos perde luta contra tumor na cabeça e morre em hospital de João Pessoa

Mariana Moreira

Mariana Moreira

Professora Universitária e Jornalista

Contato: altopiranhas@uol.com.br

Recomendado pelo Google: