header top bar

Cristina Moura

section content

Previsões

11/03/2021 às 16h16 • atualizado em 12/03/2021 às 08h20

Coluna de Cristina Moura

Por Cristina Moura

Acordei com uma tremenda vontade de estar com oitenta anos de idade. Certamente, eu já teria sido vacinada contra o vírus perverso mais conhecido do momento. Certamente, eu teria outros quereres. Calma. Ali vem uma avalanche de vaidades que entra na confusão dos pensamentos. Não sei se terei coragem de continuar pintando meu cabelo. Com oitenta, os brancos serão o passaporte da compreensão. Serei Dona Ivânia ou Dona Cristina. Chamada de senhora, para isso e aquilo.

Se me atormento com problemas reumatológicos, não sei como serei aos oitenta. Mas estarei imunizada para alguns sentimentos. Tenho quase certeza de que não farei mais tantas cobranças a mim mesma. Não sei, entretanto, se cobrarei dos outros. Talvez. Talvez eu tenha uma pomposa coragem de dizer o que penso, na cara, na lata, no duro. Serei idosa, estarei perdoada.

Muitos rirão do meu estado de velhice. Muitos entenderão que dei certa contribuição à vida, ao planeta, aos laços sanguíneos eternizados. Muitos nem saberão que escrevo. Mesmo assim, espero contar com alguns livros publicados. Não sei, porém, se terei tantos leitores. Daqui a quase quarenta anos, um tempo bom para prever, talvez eu tenha mais fé, mais perseverança, mais constância. Talvez, com mais estrada, a crença venha de forma tranquila.

Muito provável que eu não possa comer, com tanto apreço, um prato cheio de brigadeiro. Que dureza. Será uma porção de açúcar talvez combatida pelo organismo. Para me conformar, os três turnos serão preenchidos com tintas e pincéis. Para as colagens, terei uma dose a mais de controle e paciência.

Quero estar com disposição para ainda conhecer muitos lugares. Saúde. Quero estar plena para bater perna nos cinco cantos de Cajazeiras. Mas estarei blindada para olhares venenosos: serei a velhinha jornalista e escritora. Talvez a professora aposentada, com muitas histórias na cabeça e conhecimento para compartilhar. Não é certo que eu me lembre, com detalhes, de tudo o que estudei. Com oitenta, imagino, as gavetas da memória demoram a abrir.

Se eu estivesse com essa idade agora, agorinha, estaria pensando no que fiz, no que pude fazer, no que não consegui. Com oitenta, não sei se serei viúva ou se ainda estarei namorando. Terei aquele escudo para dizeres pervertidos, do mesmo jeito que sonharei com aquelas tiras gordurosas de churrasco. Terei uma espada invisível, que combaterá falsos profetas e candidatos, do mesmo modo que estarei indignada com rugas ou varizes. Se minha respiração fluir como o céu amanhecido, continuarei meditando. As posturas de ioga, sem dúvida, serão as mais fáceis.

Como é bom fazer previsões, assim, de graça. Afinal, não são esquemas prontos e traçados com uma matemática perfeita: são apenas previsões. Prevejo o que sinto, o que minha imaginação ordena, o que meu olhar abraça. Uma coisa é certa: continuarei gostando de música. Não sei se terei pique para tocar violão, bongô, pandeiro ou triângulo. Posso até dançar, mas nada que exija muitas piruetas. Vixe. Agora eu me assustei. Andar a cavalo, então: nem pensar.

Cristina Moura

Cristina Moura

Jornalista e Professora cajazeirense, radicada no estado do Espírito Santo.

Contato: moura.cristina@gmail.com

'VIDA: DÁDIVA DE DEUS'

VÍDEO: Radialista da região de Pombal que estava internado na UTI de Piancó chora ao vencer a Covid-19

'DEUS TÁ NA FRENTE'

VÍDEO: Dra. Paula pede orações após Zé Aldemir ser transferido para hospital Sírio Libanês em São Paulo

BAIXOU O NÍVEL

VÍDEO: Durante sessão da Câmara, vereador manda colega ‘enfiar a língua naquele canto’, em cidade da PB

PRESENTE MELHOR NÃO HÁ

VÍDEO EMOCIONANTE: Jovem da região de Cajazeiras que estava intubada em hospital de João Pessoa, acorda um dia antes do aniversário

Cristina Moura

Cristina Moura

Jornalista e Professora cajazeirense, radicada no estado do Espírito Santo.

Contato: moura.cristina@gmail.com

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!