header top bar

José Ronildo

section content

Retomada do crescimento

27/12/2019 às 11h00

Coluna de José Ronildo

O diretor de macroeconomia do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), José Ronaldo Souza Júnior se disse otimista com a economia brasileira no próximo ano, mas que para isso é fundamental que as reformas que têm impacto fiscal, como a tributária e a administrativa, sejam pelo menos encaminhadas, mas de preferência, aprovadas. “A economia está crescendo de forma mais robusta. Se conseguirmos aprovar mais rapidamente as reformas, e com isso melhorar bastante fortemente a confiança, a gente pode ter crescimento mais do que 2,3%”, afirmou.

Ele previu que o déficit fiscal do governo deverá ser menor em 2020 do que em 2019, por causa da aprovação da reforma da Previdência, mas observou que a questão fiscal ainda é um desafio, porque ainda existe aumento bastante forte com os gastos da Previdência, por uma questão demográfica. “Espera-se a queda de gasto com pensionista, isso vai impactar o gasto com pessoal”, avaliou. O Ipea previu que os investimentos no país serão maiores em 2020, puxados principalmente pela construção civil e grandes obras de infraestrutura. Mas o economista também lembrou que o comércio registra melhora, assim como a agropecuária e a indústria, na comparação com 2019.

Comércio
Segundo projeções do órgão ligado ao Ministério da Economia, o comércio deve crescer em novembro, pelo nono mês consecutivo, e o setor de Serviços deve pular da projeção de 1,2% em 2019 para 2,2% em 2020. Já a indústria, que este ano teve um desempenho fraco e deve fechar o ano em alta de apenas 0,4%, em 2020 poderá subir 2,1%. O setor de agropecuária será o de maior recuperação, na avaliação do Ipea, saindo de alta de 0,8% em 2019 para avanço de 3,8% no ano que vem.

Inflação
A inflação do setor de alimentos, que pesou no índice geral este ano, deve arrefecer em 2020, com a interrupção da alta do preço da carne, que deve, porém, se manter próximo do patamar elevado atual, avaliou estudo do Ipea. “Houve um aumento bastante grande dos preços das carnes no fim deste ano, aumento esse que tende a se dissipar no início do ano que vem, ainda assim, os preços vão se manter em um nível alto, mas sem a continuidade da inflação no ano que vem para o consumidor”, previu Souza Júnior. O Ipea prevê que a inflação dos alimentos vai cair de 4,2% em 2019 para 3,7% em 2020, segundo estudo divulgado pelo órgão.

Carne
Souza Júnior lembrou que o aumento do preço da carne no final deste ano se deveu ao aumento da demanda pela China, após um problema grave no país asiático, com a gripe suína africana atingindo boa parte dos suínos por lá, o que afetou outras proteínas. “As exportações vão voltar para um ritmo mais normal no próximo ano, porque o impacto de curto prazo fez o preço (da carne) se aproximar do preço internacional e isso tende a se dissipar. Isso porque o preço internacional não está oscilando tão fortemente como o que a gente viveu aqui”, explicou. De acordo com o economista, entre fevereiro e março, o preço da carne deve parar de subir, mas se manter em patamar elevado. O preço da carne não vai cair, mas vai parar de subir para o primeiro trimestre.

Hospital Regional
Chega ao fim, um ciclo no Hospital Regional de Cajazeiras, iniciado no primeiro governo de Ricardo Coutinho, que decidiu não nomear para a direção da Casa Hospitalar, nomes indicados pelo seu grupo político em Cajazeiras, liderado pelo ex-prefeito, Carlos Antonio. A mesma coisa aconteceu com a Regional de Saúde com a nomeação da enfermeira, Maura Sobreira, que seria a grande coordenadora nessa área.

O grupo já havia escolhido o diretor geral e o diretor clínico e foi surpreendido pela decisão de Ricardo, que nomeou para a função a médica, Emmanuelle Cariri. Carlos ainda passou a ter seus passos vigiados dentro do hospital, coisa nunca vista com um aliado político. Somente depois, Ricardo prestigiou Carlos Antonio, reconhecendo sua liderança e a participação na coordenação da campanha, nomeando-o como secretário.

Segundo as informações, a decisão tinha como objetivo evitar o uso político do hospital, transformando-o em cabide de emprego e até mesmo a má gestão. Por isso, a alegação era a de que estava nomeando uma técnica com experiência na área, no caso de Maura. O problema foi que Maura terminou fazendo política e ainda trouxe para a cidade uma candidata a deputada estadual de fora, no caso, Estela Bezerra, dessagrando os dois grupos políticos aliados do governador e liderados por Carlos Antonio e Jeová Campos. O declínio desse grupo começou com o não aproveitamento da própria Maura no atual governo de João Azevedo, fato que ninguém entendeu e agora com o rompimento entre o governador e o ex, responsável por todas essas indicações. Lembrando que quando Maura deixou a regional de Saúde para assumir a direção do HRC, indicou uma enfermeira, também de Uiraúna para o eu lugar. Ela permanece no cargo.

Agora com a queda de Edjane e a nomeação de um nome indicado pelo grupo de Carlos, Júnior e Denise, os aliados voltam a ser prestigiados e passam a também governar como sempre foi.

José Ronildo

José Ronildo

Redator do Jornal Gazeta, Radialista e apresentador do Microfone Aberto da Rádio Alto Piranhas

Contato: altopiranhas@uol.com.br

Recomendado para você pelo google

PROBLEMA SOCIAL

VÍDEO: Conselho Tutelar notifica pais por causa de crianças pedindo nos semáforos de Cajazeiras

OPÇÃO RELIGIOSA

VÍDEO: Retiro de Carnaval de Pombal anuncia programação da 35° edição com atrações a nível nacional

CAMPEONATO PARAIBANO

VÍDEO: Wesley, Éder Paulista e o técnico Ederson Araújo aprovam estreia do Atlético e elogiam a torcida

FALTA DE COMODIDADE

Professora cobra fiscalização na ocupação de calçadas por comerciantes que interfere a mobilidade urbana

José Ronildo

José Ronildo

Redator do Jornal Gazeta, Radialista e apresentador do Microfone Aberto da Rádio Alto Piranhas

Contato: altopiranhas@uol.com.br