header top bar

section content

Continua no presídio: Empresário de Cajazeiras preso na Operação Andaime tem Habeas Corpus negado

Somente nesta quinta-feira (17), o Habeas Corpus requerendo o relaxamento da prisão preventiva do empresário cajazeirense entrou na pauta do TRF

Por Luzia de Sousa

17/03/2016 às 16h27 • atualizado em 17/03/2016 às 18h22

Marinho no MPE na deflagração da Operação Andaime III na cidade de Cajazeiras

Os advogados do empresário cajazeirense Mário Messias Filho (Marinho), que foi preso pela segunda vez na Operação Andaime sob o fundamento de que voltara a delinquir após ser solto pelo TRF, esperaram pelo momento que entenderam mais adequado para requererem sua liberdade.

Somente nesta quinta-feira (17), o Habeas Corpus requerendo o relaxamento de sua prisão preventiva entrou na pauta da 1ª Turma do Tribunal Regional Federal, com sede em Recife, mas teve o pedido negado, por unanimidade, e vai continuar preso. A informação foi confirmada pelo blogueiro e advogado Adjamilton Pereira.

O desembargador Federal Manoel Erhard não quis decidir monocraticamente, como fez em outras oportunidades, cabendo, dessa forma, aos integrantes da 1.ª turma a decisão sobre o pedido de liberdade de Marinho, tido como um dos principais operadores dos ilícitos apontados na operação andaime.

A sustentação oral do pedido de Marinho foi feita pelo advogado Solon Benevides, mas os argumentos não conseguiram convencer os Desembargadores Federais, tendo o pedido recebido o voto contrário do relator Manoel Erhard, que foi seguido pelo voto dos desembargadores Alexandre de Luna Freire e Manoel Maia.

DIÁRIO DO SERTÃO

MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”