header top bar

section content

Comissão vai fiscalizar gasto de R$ 1,2 bi na compra de medicamento de Cuba por inexigibilidade

O debate foi sugerido pelo deputado Wilson Filho (PTB-PB) e será realizado nesta quarta-feira (6).

Por Priscila Belmont

06/12/2017 às 10h23

Deputado Federal Wilson Filho

As comissões de Fiscalização Financeira e Controle; e Finanças e Tributação convidaram o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para explicar o processo de escolha de uma empresa cubana para fabricação da eritropoetina humana recombinante, medicamento indicado no tratamento da anemia associada à insuficiência renal crônica. O debate foi sugerido pelo deputado Wilson Filho (PTB-PB) e será realizado nesta quarta-feira (6).

As despesas por inexigibilidade já ultrapassam R$ 1,2 bilhão, mesmo havendo acordo de transferência de tecnologia para que o Brasil passe a também produzir a medicação indicada no tratamento da anemia associada à insuficiência renal crônica, incluindo os pacientes em diálise.

O presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, Wilson Filho, afirma que é preciso verificar se é regular a aplicação dos recursos públicos empregados nessas contratações. Ele lembra que desde 2004, o medicamento faz parte de um acordo entre os governos do Brasil e Cuba. Pelo acordo, a Fiocruz, órgão responsável pelo laboratório público, tem contrato com a empresa cubana CIMAB S.A, que prevê a transferência de tecnologia do medicamento e desenvolvimento do produto pelo laboratório Bio-Manguinhos.

O parlamentar destaca que em 12 de maio de 2017 o Ministério da Saúde publicou noticia em seu site informando que o processo para produção e aquisição do medicamento com base no acordo entre Brasil e Cuba foi cancelado após a constatação de “que o produto ofertado no país ainda vinha de Cuba, sendo apenas envazado no Brasil”.

No entanto, o próprio Ministério da Saúde publicara, noticiou a inauguração do novo centro de produção de insumos e medicamentos do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos BioManguinhos, destacando que “entre os medicamentos que serão produzidos no centro, está a alfaepoetina”. “Ora, estava sendo produzido ou apenas envazado? Precisamos saber se esse processo de compra é legal ou não e se existe a possibilidade de que essa medicação seja produzida aqui no Brasil com um menor custo”, afirmou.

Assessoria

QUARTO EPISÓDIO

Em homenagem ao Dia das Crianças, programa Coisas de Cajazeiras entrevistou uma turma esperta e antenada

EMOÇÃO E REVOLTA

VÍDEO: Após um ano e três meses, Victória Albuquerque é sepultada sob lágrimas e protestos em Cajazeiras

CRISE?

VÍDEO: Empresário afirma que tem vagas de emprego em Cajazeiras, mas faltam profissionais capacitados

DIRETO AO PONTO

Eleitos em Cajazeiras devem se comprometer com aeródromo, estrada de Boqueirão e hospital, diz colunista