header top bar

section content

Familiares procuram vendedor que saiu para trabalhar e desapareceu misteriosamente em Itaporanga

De acordo com informações de familiares um boletim de ocorrência de desaparecimento foi registrado na delegacia de Itaporanga, mas até o momento o 'Nego Dé' não foi localizado.

Por José Dias Neto

16/01/2020 às 10h05 • atualizado em 16/01/2020 às 10h08

O vendedor José Eudo Campos Pereira, mais conhecido como Nego Dé, de 44 anos, está desaparecido desde a madrugada dessa terça-feira. Foto: Diamante Online

Um homem identificado como José Eudo Campos Pereira, conhecido como Nego Dé, 44 anos, está desaparecido desde a madrugada desta terça-feira (14) na cidade de Itaporanga no Vale do Piancó.

De acordo com informações de familiares um boletim de ocorrência de desaparecimento foi registrado na delegacia de Itaporanga, mas até o momento o Nego Dé não foi localizado.

Ao Diamante Online, familiares informaram que José Eudo saiu de casa por volta das 4h da terça-feira dizendo que ia trabalhar. Como de costume, eles esperaram até a hora do almoço ele voltar, mas não aconteceu, e então ficaram preocupados.

VEJA MAIS: 

VÍDEO: Em peregrinação até Juazeiro-CE, deputado da Paraíba passa pelo Vale do Piancó e fala do desafio

Governo Estadual exonera chefe do DER do Vale do Piancó e faz uma nova nomeação para o cargo

Municípios do Valé do Piancó receberam quase R$ 10 milhões do primeiro repasse de 2020 do FPM

A polícia civil investiga o caso e qualquer informação sobre o paradeiro do vendedor Nego Dé as pessoas devem entrar em contato através nos números: (83) 99805-5994 ou 99940 -1950

Redação DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

PROBLEMA SOCIAL

VÍDEO: Conselho Tutelar notifica pais por causa de crianças pedindo nos semáforos de Cajazeiras

OPÇÃO RELIGIOSA

VÍDEO: Retiro de Carnaval de Pombal anuncia programação da 35° edição com atrações a nível nacional

CAMPEONATO PARAIBANO

VÍDEO: Wesley, Éder Paulista e o técnico Ederson Araújo aprovam estreia do Atlético e elogiam a torcida

FALTA DE COMODIDADE

Professora cobra fiscalização na ocupação de calçadas por comerciantes que interfere a mobilidade urbana