header top bar

section content

Compra de merenda será sem licitação em 2010

Pelo menos 30% de todo o dinheiro do governo federal destinado à compra de merenda escolar será gasto pelos gestores de municípios e estados sem necessidade de licitação. A brecha foi criada pela regulamentação da lei nº 11.947, que trata do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). A normatização da lei, publicada em julho deste […]

Por

17/11/2009 às 00h02

Pelo menos 30% de todo o dinheiro do governo federal destinado à compra de merenda escolar será gasto pelos gestores de municípios e estados sem necessidade de licitação. A brecha foi criada pela regulamentação da lei nº 11.947, que trata do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

A normatização da lei, publicada em julho deste ano pelo Fundo de Desenvolvimento da Educação (FNDE), determina que um terço dos recursos da merenda precisam vir da agricultura familiar e serão gastos sem a tomada de preço e o controle formal estabelecidos pela lei da licitação, a de nº 8666.

O orçamento federal, só para a merenda escolar, é de R$ 2,02 bilhões, de acordo com informações do FNDE. O dinheiro é repassado diretamente a estados e municípios para beneficiar 45 milhões de estudantes da educação básica.

Pela nova lei, ao menos R$ 615 milhões devem ser investidos na compra direta de produtos da agricultura familiar, que são dispensados de licitação. De acordo com gestores, as famílias não têm como concorrer com o preço e a burocracia.

Após um período de seis meses de transição, a legislação começará a vigorar de forma definitiva a partir do próximo ano letivo. “Isso é bem complicado, ainda mais pela expressividade do volume de recursos”, avalia o economista especialista em orçamento Gil Castelo Branco, da ONG Contas Abertas. “Receio que se reproduza modelos semelhantes aos escândalos envolvendo organizações não-governamentais. Muitas são sérias. Outras se estabeleceram só para captar recursos públicos.”

De acordo com Eliene Ferreira de Sousa, coordenadora de Alimentação e Nutrição do Pnae, a proposta do governo é criar uma política pública de fortalecimento da agricultura familiar. “Queremos promover alimentação para as crianças e adolescentes e, ao mesmo tempo, fazer política pública”, afirma.

Eliene também explica que, com a dispensa de licitação, foram criadas regras: preços praticados no mercado, entrega de nota fiscal, regularidade e controle de qualidade do alimento. “E, além do controle do próprio FNDE e auditorias do Tribunal de Contas da União, os conselhos de alimentação escolar, presentes em cada município, devem se reunir periodicamente para ver se o programa está sendo bem implementado.”

O especialista em administração pública Ronaldo Antunes diz que, mesmo com as regras de proteção estabelecidas pela regulamentação da lei, a dispensa de licitação á arriscada. “Essas aberturas legais são perigosas porque a União não tem estrutura para fiscalizar nem os próprios convênios imagina checar inúmeros contratos de mais de 5 mil municípios e 27 unidades da federação”, avalia.

Repasse
Em vigor desde 1955, o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) se caracteriza pelo repasse de recursos financeiros pela União a estados e municípios para a garantia da alimentação escolar de toda educação básica.

Atualmente, a União repassa, por dia letivo, R$ 0,44 por aluno de creches e R$ 0,22 por aluno para o restante da educação básica. O pagamento também é em dobro (R$ 0,44) para estudantes matriculados em escolas localizadas em áreas indígenas e em áreas remanescentes de quilombo.

Da redação com Portal IG

Tags:

Recomendado para você pelo google

VIRALIZOU NA WEB

Vídeo de jovem que se feriu ao pular de sangria de barragem no Sertão vai parar em página de humor

VÍDEO!

Projeto social de Cia de Trânsito de Cajazeiras distribui cestas básicas e ovos de Páscoa para crianças

DESABAFO

VÍDEO: Vereadora ex-aliada do prefeito de Ipaumirim, detona gestão de Geraldão: “O prefeito é ausente”

BOA INICIATIVA!

Prefeito de Monte Horebe anuncia pães e peixes para população carente e antecipação do salário de Abril