header top bar

section content

H1N1 já causou 70 mortes, diz governo

Capital paulista registrou 17 mortes e 201 pessoas infectadas em 2016.

Por Luzia de Sousa

09/04/2016 às 19h05

A vacina será distribuída na rede publica (Foto: Reprodução)

A Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo registrou, neste ano, 70 mortes relacionadas ao vírus H1N1. De acordo com balanço divulgado pelo órgão, foram registrados 534 casos até o dia 5 de abril.

Ainda de acordo com a Secretaria, no total, foram notificados 667 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no estado, com 75 mortes. Em 2015, foram 342 casos de SRAG em São Paulo.

A capital paulista já registrou 17 mortes por gripe A (vírus H1N1) em 2016 e pelo menos 201 pessoas infectadas. Os dados mostram o avanço da doença neste ano, já que nos primeiros três meses de 2015, a cidade teve apenas um caso da doença e nenhuma morte registrada. Os números foram divulgados na sexta-feira (8) pela Prefeitura de São Paulo.

Vacinação
Neste ano, a vacinação foi antecipada em municípios da Região Metropolitana. Profissionais de saúde de serviços públicos e privados estão sendo imunizados desde o dia 4 de abril.

A partir do dia 11, segunda-feira, serão imunizados demais grupos prioritários: crianças maiores de seis meses e menores de cinco anos, gestantes e idosos. A partir do dia 18, a imunização atenderá os grupos com comorbidades, como portadores de doenças crônicas e em tratamento com imunossupressores, mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias, e a população indígena.

Nas outras regiões, a campanha terá inicio no dia 30 de abril, conforme calendário definido pelo Ministério da Saúde.

Mortes na capital
Segundo o Secretario Municipal da Saúde, Alexandre Padilha, das 17 mortes registradas na capital, 14 tinham comorbidades identificadas, e 3 casos estão sendo investigados se havia fatores de risco.

O principal objetivo da vacinação é reduzir os casos no grupo de risco, evitando óbitos e complicações decorrentes da doença. “As evidências mais fortes de proteção estão nesse grupo. Justamente por essa razão, a estratégia de vacinação é voltada para um determinado público e não para toda a população”, afirmou o secretário.

De acordo com o secretário, a proteção começa, em geral, de dez a 13 dias após a vacinação. A meta é vacinar 80% do público alvo até o final da campanha. Em 2015, a cobertura vacinal foi de 81,72%.

Segundo Padilha, as UBS estarão abertas aos sábados. Asilos e abrigos devem receber equipes de vacinação.

G1

Recomendado para você pelo google

POSSÍVEL CANDIDATO

VÍDEO: Ex-prefeito de Cachoeira dos Índios revela quais os ‘vices dos sonhos’ para sua chapa em 2020

AVENIDA LOTADA

VÍDEO: Show de comunidade católica famosa em todo o Brasil reúne multidão em São José de Piranhas

PREFEITO DE MONTE HOREBE

VÍDEO: Marcos Eron admite querer a reeleição, nega distanciamento da vice e manda recado para oposição

FENÔMENO

VÍDEO: Menino cajazeirense impressiona com habilidade no teclado e por ter fabricado instrumento