header top bar

section content

Cajazeirense volta à sua terra e emociona público em festa com números de dança

Natural de Cajazeirense, Jonas Karlos mora há alguns anos na capital do Sergipe, onde é professor de dança da Universidade Federal

Por Jocivan Pinheiro

30/08/2016 às 16h59

Jonas Karlos

Jonas Karlos

O 14º Baile do Reencontro, realizado no último sábado (27) em Cajazeiras, contou com a participação artística especial de um ilustre cajazeirense. O bailarino Jonas Karlos veio de Aracaju-SE, acompanhado de alunos, para se apresentar na abertura do baile.

O grupo fez três números de dança no início da festa, no salão nobre do Cajazeiras Tênis Clube que estava lotado. Primeiro, dança contemporânea popular ao som de “Mulher Rendeira”, composição do cajazeirense Zé do Norte; depois teve samba de gafieira, finalizando com tango.

VEJA TAMBÉM: Bailarino cajazeirense chora ao contar que foi desacreditado por ‘famosa’

» Cajazeirenses e ‘cajazeirados’ se emocionam no 14º Baile do Reencontro

Natural de Cajazeirense, Jonas mora há alguns anos na capital do Sergipe, onde é professor de dança da Universidade Federal. Ele também já deu aulas na Federal da Bahia, chegou a trabalhar para a filha da cantora Daniela Mercury, fez especialização em Tango em Buenos Aires, na Argentina, e já viajou para a Europa.

Sua carreira de bailarino começou nas bandas de forró da região. Se destacou e conseguiu contratos com bandas maiores até que a cantora Fátima Marques o influenciou a viajar para outros estados para se formar.

Jonas Karlos

Jonas (primeiro em pé à direita) com seus alunos em Cajazeiras

.DIÁRIO DO SERTÃO

"AQUI NESSA MESA DE BAR"

VÍDEO: Homenagem a garçons de Cajazeiras no programa Xeque-Mate tem música, drinks e boas histórias

SAÚDE E BEM-ESTAR

VÍDEO: Sangramento nas regiões do reto e do ânus pode ser sinal de doença grave, avisa médico

APOIO DE CRAQUE

VÍDEO: Embaixador do Campeonato Paraibano, Hulk diz que está à disposição para ajudar clubes do Sertão

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS

VÍDEO: Para advogado da OAB de Cajazeiras, investir em presídios e não em escolas é ‘enxugar gelo’