header top bar

section content

Quanto veio sua conta de luz? advogado sousense faz alerta ao consumidor. Vídeo!

A reportagem do Diário do Sertão procurou o advogado sousense Cláudio Diniz, e ele falou sobre o assunto e deu dicas aos consumidores

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

08/11/2017 às 15h47 • atualizado em 08/11/2017 às 15h51

A conta não está fechando. A Agência Nacional de Energia Elétrica diz que o dinheiro arrecadado com a bandeira tarifária, a taxa extra cobrada na conta de luz, não cobre mais o custo alto.

As bandeiras funcionam como um sinal de preço: quanto mais cara a geração de energia maior o valor da bandeira. E é justamente a taxa maior, a bandeira vermelha 2, que vai ficar mais cara já em novembro: passará de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 quilowatts consumidos: um aumento de mais de 40%.

Atenção consumidor
A reportagem do Diário do Sertão procurou o advogado sousense Cláudio Diniz, e ele falou sobre o assunto e deu dicas de como o consumidor agir em caso de cobranças muito altas:

“É preciso verificar se a quantidade de quilowatts na fatura são os mesmo do medidor, caso não seja, o consumiu então deve fazer reclamação na empresa que fornece a energia. Além disso, verificar se o aparelho não apresenta problemas”, disse o advogado.

Internauta postou sua conta de luz nas redes sociais (foto: reprodução/Instagram)

Cláudio Diniz, afirmou ainda que o consumidor pode procurar o PROCON municipal ou estadual para fazer sua reclamação, ou até mesmo procurar um advogado de sua confiança para buscar resolver o problema através do poder judiciário.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora