header top bar

section content

Laudo revela que filha de professora cajazeirense não tinha H1N1; ela faleceu aos 5 anos de idade

A informação é de familiar da pequena, após o recebimento do laudo nessa quinta-feira (3).

Por Luzia de Sousa

04/05/2018 às 17h33

Criança de 5 anos era de São José de Piranhas

A criança de 5 anos de idade, natural da cidade de São José de Piranhas, na região de Cajazeiras, Sertão da Paraíba falecida no mês de abril deste ano após dar entrada na UTI do Hospital Infantil Noaldo Leite em Patos não estava acometida da gripe H1N1.

+ Filha de professora de Cajazeiras de apenas 5 anos morre suspeita de H1N1 e caso ‘apavora’ população

A informação é de familiar da pequena, após o recebimento do laudo nessa quinta-feira (3). O material colhido foi encaminhado para análise fora do estado e depois de quase 30 dias chegou a confirmação que não se tratava de H1N1.

A causa morte da criança, que era filha de uma professora cajazeirense foi pneumonia, como foi diagnosticada inicialmente.

Entenda
Uma criança de 5 anos, natural da cidade de São José de Piranhas, na região de Cajazeiras, Sertão da Paraíba faleceu nessa segunda-feira (9) após dar entrada na UTI no Hospital Infantil Noaldo Leite em Patos.

A menina que era filha de uma professora cajazeirense foi diagnosticada com pneumonia, mas após o óbito surgiu a suspeita de gripe H1N1, conhecida popularmente por “Gripe Suína”.

A criança deu entrada no hospital de Cajazeiras no dia 4 de abril, foi levada para Sousa e depois para Patos, onde foi a óbito. Ela apresentava um quadro de gripe

DIÁRIO DO SERTÃO

OS CIRENEUS DO CAMINHO

VÍDEO: Programa Mensagem de Esperança reflete sobre imunização espiritual e como lidar com adversários

'MENSAGEM DE FÉ'

VÍDEO: Padre apresenta programa especial na TV sobre a tradicional Festa de Dom Bosco em Cajazeiras

'OPINIÃO DO CIDADÃO'

VÍDEO: Em Cajazeiras, presidente da OAB-PB diz ser contra posse de arma: “Índices de mortes aumentam”

PROPRIEDADES EMBARGADAS

VÍDEO: Impedidos de plantar, agricultores de Cajazeiras acusam IBAMA de excessos na aplicação de multas