header top bar

section content

VÍDEO: População elege as obras e os serviços prioritários no II Orçamento Democrático de Monte Horebe

O ODM possibilita que os horebenses participem das decisões do governo

Por Jocivan Pinheiro

17/09/2018 às 17h10

Desde que assumiu o comando do poder executivo de Monte Horebe, o prefeito Marcos Eron (MDB) divide com os cidadãos a responsabilidade na aplicação do dinheiros público em obras e serviços que aumentem a qualidade de vida da população.

Este ano, a gestão promoveu o II Orçamento Democrático Municipal, um instrumento que possibilita que os horebenses participem das decisões do governo.

VEJA TAMBÉMMonte Horebe fica à frente de Cajazeiras no Ideb e gestão municipal comemora

Depois de passar pela zona rural, o ODM 2018 foi instalado no Paço da Prefeitura, onde ocorreu o grande encerramento com a presença em massa da população e de gestores públicos. Na ocasião, o prefeito Marcos Eron discursou para o público e fez um balanço da sua gestão.

Prefeito Marcos Heron discursa para a população no ODM

Eron elencou algumas das demandas solicitadas no primeiro ODM e que já foram atendidas; destacou que o empoderamento popular é a marca da sua administração e que todas as reivindicações estarão no planejamento para o orçamento de 2019.

“Esse é um momento muito importante para a democracia do nosso município, onde você vê a participação em massa das pessoas dando sugestões, opinando sobre aquilo que deverá ser construído em obras, aquilo que deverá ser feito em serviços.”

Mais fotos

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora