header top bar

section content

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

Apesar de parabenizar o prefeito, Elinete Lourenço ameniza o entusiasmo e diz que a felicidade da categoria ainda não é plena

Por Jocivan Pinheiro

20/02/2019 às 15h31 • atualizado em 20/02/2019 às 15h39

A professora Elinete Lourenço, presidente do Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Cajazeiras (SINFUMC), elogiou as recentes medidas tomadas pelo prefeito José Aldemir Meireles (PP) para melhorar a educação do município, como escolas mais equipadas e aumento do piso salarial dos professores acima do teto nacional.

Porém, apesar de parabenizar o prefeito e afirmar que ele está compreendendo a importância dos professores, Elinete ameniza o entusiasmo e diz que a felicidade da categoria é uma felicidade ‘entre aspas’, pois os professores esperavam receber os 3,84% do piso nacional de 2018.

“Nós ficamos felizes entre aspas (…). A gente não pode ficar calado quando a coisa está assim. Mas ele foi parabenizado por isso, entendeu a importância do professor, a importância da educação para essa cidade que ensinou a Paraíba a ler”.

VER TAMBÉMZé Aldemir retorna da Europa anunciando novo piso dos professores e Casa de Apoio

A sindicalista reconhece melhorias nas escolas, mas ressalta que o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e a qualidade do ensino ainda precisam melhorar.

“Para que isso aconteça é preciso que valorize o professor. Nós somos peça importante em toda gestão. Eu acho que, finalmente, José Aldemir está entendendo isso”.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras

FUTEBOL

VÍDEO: Diário Esportivo fala sobre o Festival de Prêmios do Atlético e do clássico contra o Sousa

MASSACRE DE SUZANO

VÍDEO: Psicóloga fala sobre jogos eletrônicos e ausência da família influenciando tragédias com jovens

O CAMINHO

VÍDEO: Em Pombal, Frei Gilson declara que a Igreja Católica precisa pregar um catolicismo praticante