header top bar

section content

VÍDEO: Chefe da PM de Cajazeiras defende porte de arma para ‘cidadão de bem’: “Não se sente protegido”

Ao falar sobre a liberação do porte de arma para 'cidadão de bem', Major Terceiro avalia como 'cidadão de bem' aquele que não utiliza o crime como meio de vida

Por Jocivan Pinheiro

11/07/2019 às 14h18 • atualizado em 11/07/2019 às 14h20

No programa Xeque-Mate, da TV Diário do Sertão, o comandante da Polícia Militar de Cajazeiras, major Nicolau França de Alencar Leite Terceiro, defendeu o porte legal de arma de fogo para civis, desde que o Estado ofereça capacitação prática e preparação psicológica para este fim.

Ao responder sobre a liberação do porte de arma para o ‘cidadão de bem’, Major Terceiro avalia como ‘cidadão de bem’ aquele que não utiliza o crime como meio de vida. Para ele, o indivíduo que se envolve em um crime, mas paga por ele juridicamente e não reincide, ainda pode ser considerado um ‘cidadão de bem’.

“Qualquer um de nós está passivo a praticar um crime. Não é da nossa natureza, não é da nossa vontade. A gente tem um embasamento jurídico, cultural, tem a questão familiar e a questão de Deus. A gente não pode esquecer nenhuma dessas situações. Mas, diante dessas possibilidades, existe a situação do cidadão comum praticar um crime, seja de maneira dolosa ou culposa”.

VEJA TAMBÉM: Novo comandante da Polícia Militar de Cajazeiras fala sobre o que vai ser mantido e mudado na sua gestão

Major Terceiro não considera o ‘cidadão de bem’ armado uma ameaça à segurança pública: “Eu acredito que o cidadão de bem nunca vai ser uma ameaça à polícia, ele vai ser sempre uma ajuda. Se ele está disposto a colaborar a partir do momento que cometer um crime e não quer viver da criminalidade, a gente tem que aprender no Brasil a separar essas situações”.

Ainda segundo ele, o desejo de grande parte da população brasileira de possuir uma arma de fogo para se proteger é consequência das falhas do Estado em oferecer segurança pública efetiva e de qualidade.

“Às vezes ele [o cidadão] vai procurar arma porque não se sente protegido, porque não tem polícia, porque o Estado é distante, nas redondezas está acontecendo muito crime e leva o cidadão de bem a se armar. Será que é necessário o cidadão se armar quando ele tem um Estado que lhe protege?”, indaga.

Redação DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

ENTREVISTA

Presidenta do Coren diz que enfermeiro pode ter clínica, luta pelo piso salarial e fala sobre concursos

POSSÍVEL CANDIDATO

VÍDEO: Ex-prefeito de Cachoeira dos Índios revela quais os ‘vices dos sonhos’ para sua chapa em 2020

AVENIDA LOTADA

VÍDEO: Show de comunidade católica famosa em todo o Brasil reúne multidão em São José de Piranhas

PREFEITO DE MONTE HOREBE

VÍDEO: Marcos Eron admite querer a reeleição, nega distanciamento da vice e manda recado para oposição