header top bar

section content

VÍDEO: Mãe adotiva luta para achar e apresentar ao filho a mãe biológica da região de Pombal

Hoje, 44 anos depois, a mãe adotiva tenta realizar essa alegria na vida de seu filho que já é casado e pai de três filhas. As poucas lembranças são que, o nome da mãe biológica é Ana Lúcia e que morava na região de Pombal

Por Diário do Sertão com informações do Blog do Heron Cid

13/05/2022 às 18h53 • atualizado em 14/05/2022 às 16h13

O Blog do jornalista Heron Cid, publicou nesta sexta-feira (13), uma história um tanto quanto comovente, de uma mãe da região de Pombal, no Sertão paraibano, que aos 16 anos deu a luz a uma criança em 2 de setembro de 1977, em uma maternidade que hoje não mais existe, a qual ficava localizada no entorno da Lagoa do Parque Solon de Lucena, no Centro da Capital paraibana, e que seu filho ficou para adoção.

Passados 45 anos, a mãe adotiva escreveu uma carta em suas redes sociais de forma emocionante, onde pede ajuda para encontrar Ana Lúcia, único nome que lembra da mãe de seu filho. Hoje, adulto, casado e pai de três filhas, ele quer conhecer sua outra genitora, e poder apresentar sua família.

Confira a matéria do Blog do Heron Cid e a carta da mãe adotiva que busca encontra a mãe biológica:

(Arte: reprodução/Blog do Heron Cid).

Acordei com esse desabafo. Li, me emocionei e logo partilhei. É um grito de uma mãe chamando pela mãe biológica do filho adotado quatro décadas atrás.

O apelo me impactou ainda mais porque conheço mãe e filho. E sabia um pouco da história nos bastidores. Não com a intensidade dos detalhes relatados.

São poucas as pistas. Ana Lúcia, supostamente de Pombal. Ela pode estar na cidade sertaneja ou em qualquer outro lugar do mundo onde esta Internet é capaz de alcançar.

Peço que leiam com atenção e compartilhem. Cada um de nós pode ajudar neste reencontro a três. De paz, de amor, de milagre de Deus.

Vem Ana Lúcia! (Por Danielita Pinto de Morais)

Hoje, de uma forma especial, eu quero falar sobre uma mãe que conheço apenas como Ana Lúcia e que tem um papel muito importante em minha vida, desde que li o seu nome numa fita de esparadrapo colada ao braço do seu filho nascido no dia 2 de setembro de 1977.

Fafá, uma colega de trabalho foi buscá-lo na extinta maternidade Roberto Granville, no entorno da Lagoa do Centro de João Pessoa, onde nasceu e ficou para adoção. Lá havia um buchicho entre as enfermeiras e zeladoras: a mãe tinha 16 anos, viera da região de Pombal para dar à luz e voltara sem o filho para casa.

Não tenho mais informações e nem sei se essas são verdadeiras. Tive medo e perdi o tempo. Depois de 30 anos resolvi procurar os prontuários dos pacientes sob a guarda do hospital, mas já tinham sido destruídos.

Onde está você Ana Lúcia?

Se você pediu a Deus que escolhesse alguém para cuidar do seu filho, quero lhe dizer que Ele me escolheu. De forma mais que humana, seu menino foi acolhido com muito amor, aninhado no meu coração, no meu colo e por todos da sua nova família.

Cresceu em estatura e sabedoria. Passou por caminhos de sombras e de morte, mas ganhou novo sopro de vida e se ergueu ajudado pela destra do Senhor. Virou um homem bonito (sou suspeita!) e construiu sua própria família. Tem uma esposa virtuosa e três filhas, com 18, 9 e 5 anos. É bom filho, bom esposo, bom pai… bom amigo. É humilde, amado e honrado por todos os que desfrutam da sua convivência.

Esse texto é mais um caminho que eu sigo para lhe encontrar. Na verdade, você sempre esteve em nosso meio, pois a maternidade estabelece uma relação não divorciável entre mãe e filho, que permanece mesmo quando cessam o contato e a convivência. Os laços maternos sobrevivem no sinal do umbigo, nas memórias do ventre, nas cadeias de DNA… na saudade inexplicável que teima em colocar cada filho em posição fetal, buscando a imensidão do afeto e a unidade que isso significa.

O filho que abriu o seu ventre sempre soube a própria história, aprendeu a orar por você e a abençoar sua vida. Deu início à sua descendência, sua herança da parte do Senhor, troféu de vitória sobre a finitude da sua vida na terra. Cuidados pelas mãos de um Deus que ama como um Pai perfeito e que tem o controle sobre todas as coisas, estão aqui lhe esperando para um abraço mais que gigante e para uma eternidade cheia de vida.

Torço para que, se ainda der tempo, possamos viver os milagres desse encontro de alegria e cura. Que se alinhem o mapa e o tempo para que as nossas estradas se encontrem.

Vem Ana Lúcia!

“Os filhos são herança do Senhor…” Salmo 127:3.

DIÁRIO DO SERTÃO

TRISTEZA

VÍDEO: Atos fúnebres dos PRFs assassinados em Fortaleza é marcado por homenagens e muita comoção

SITUAÇÃO DIFÍCIL

VÍDEO: Portador de doença rara que mora em sítio de Cajazeiras fala sobre dificuldades para tratamento

COMUNICADO

VÍDEO: CDL de Cajazeiras confirma fechamento do comércio no Dia do Comerciário; Sousa funciona normal

LUTO

VÍDEO: Cajazeirense de 16 anos perde luta contra tumor na cabeça e morre em hospital de João Pessoa

Recomendado pelo Google: