header top bar

section content

Prefeitura de Cajazeiras esclarece notícia sobre contratações de servidores

A Prefeitura de Cajazeiras não cometeu nenhum ato de irresponsabilidade que tivesse repercussão no aumento de sua folha de pessoal, no mês de agosto passado.

Por

15/10/2009 às 22h46

A Prefeitura de Cajazeiras não cometeu nenhum ato de irresponsabilidade que tivesse repercussão no aumento de sua folha de pessoal, no mês de agosto passado. Essa versão está sendo dada pela Secretaria Municipal de Administração, a propósito de notícia veiculada no Diário do Sertão de que a atual gestão teria contratado 167 novos servidores em pleno momento de crise financeira.

O que houve, segundo informa, é que em julho, por medida de contenção de despesas, o prefeito demitiu a grande maioria dos ocupantes de cargos comissionados. Em agosto, esses servidores foram readmitidos. Isso, na verdade, gerou um aumento na folha de agosto em relação a julho, mas não se caracteriza como contratação de novos servidores. Pelo contrário, com essa decisão, o prefeito economizou recursos em julho nesse esforço que vem fazendo para atualizar toda a folha de pessoal.

O secretário Wesley Gonçalves informou que a partir de setembro a administração já registra uma diminuição no número de servidores com a suspensão dos contratados do pessoal do Processo Seletivo Simplificado. A folha, segundo ele, já caiu em setembro e vai cair mais um pouco agora em outubro. “A meta é enxugar e diminuir despesas para garantir o pagamento em dia”, disse.

Da assessoria de imprensa da Prefeitura de Cajazeiras

Tags:

Recomendado para você pelo google

ESPECIAL DE PÁSCOA

VÍDEO: TVDS exibe programa ‘Mensagem de Fé com Frei João Batista’ em especial de Semana Santa

FÉ E DEVOÇÃO

Sexta-feira Santa em Cajazeiras é marcada por várias celebrações religiosas e grande número de fiéis

SAÚDE

VÍDEO: Xeque Mate fala sobre a obesidade e médica endocrinologista tira dúvidas sobre a doença; Veja!

SEMANA SANTA PARA OS EVANGÉLICOS

VÍDEO: Pastor fala sobre significado da Páscoa para os protestantes: “É o sacrifício e a libertação”